WEBGAP7 – Expectativas Geradas pelo Website versus Desempenho Percebido: O Caso da Pousada Pequena Tiradentes

Tarcisio Afonso, Júnior Moura Malaquias, Bruno Pellizzaro Dias Afonso, Carlos Alberto Gonçalves

Resumo


O presente estudo teve como objetivo apresentar e aplicar métricas para avaliação de website no segmento hoteleiro. Para isto desenvolveu escalas para avaliação dos atributos do website de uma pousada na cidade histórica de Tiradentes - MG e investigou as lacunas existentes entre as expectativas geradas pelo website e o desempenho percebido pelos clientes, denominadas webgpaps. As escalas desenvolvidas no presente estudo permitiram associar a frequência de uso da internet com a avaliação do website e a relacionar fidelidade com webgaps. A pesquisa realizada foi de natureza descritiva quantitativa, sendo o estudo caracterizado como transversal único, do tipo survey. Um total de cem hóspedes, que haviam visitado o website da pousada, foi pesquisado. O estudo demonstrou a utilidade da escala desenvolvida e apontou lacunas do website da pousada na demora ao carregar a página, que não foi considerada inovadora, bem como não ser uma alternativa ao contato telefônico com a pousada. Quando foram avaliados os webgaps, ficaram evidentes grandes discrepâncias nos serviços de estacionamento. Verificou-se ainda que os clientes mais assíduos da internet se mostraram mais críticos em suas avaliações do website e foi constatada uma relação inversa entre a fidelidade e webgaps em cinco dimensões de serviços consumidos. Os resultados deste trabalho apontam para a necessidade do uso de métricas para a avaliação de lacunas provocadas pela expectativa gerada pelo website e o desempenho percebido pelos clientes e para o estudo dos seus efeitos sobre o comportamento do consumidor.


Palavras-chave


Website, webgaps, segmento hoteleiro

Referências


Andrade, J. V. (1992). Turismo – fundamentos e dimensões. São Paulo: Editora Ática.

Barbosa, F. S. (2013). Planejamento estratégico para eventos: um estudo de caso das estratégias de marketing utilizadas pela Oktoberfest de santa cruz do Sul/RS. Revista de Cultura e Turismo - CULTUR, v.7, n.1, p. 87-104.

Barbosa, F. S. (2010). O processo logístico de eventos: um estudo de caso da Oktoberfest de Blumenau/SC. Dissertação (Mestrado em Turismo e Hotelaria). Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú.

Bisquerra, Rafael et al.(2004). Introdução à Estatística: Enfoque Informático com o pacote Estatístico SPSS 13.0. Porto Alegre: Artmed.

Bull, A. (1995). The economics of travel and tourism. 2nd edition. Melbourne: Austrália, Longman.

Butler, M. L. Marketing and the Internet. [on line] Disponível na Internet via: URL: http://www.utexas.edu/ftp/coc/adv/research/papers/Mbutler.html. Arquivo capturado em 31/05/2014.

Cervo, Amado L.; Bervian, Pedro A. (2002). Metodologia Científica. 5º ed. São Paulo: Prentice Hall.

Cooper, C., & Fletcher, J. & Wanhill, S. (2001). Turismo: princípios e práticas. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Dias, R. & CASSAR, M. (2005). Fundamentos do Marketing Turístico. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Eager, B.(1995). Por dentro da World Wide Web. São Paulo: Berkeley.

Fitzsimmons, James A.; Fitzsimmons, Mona J. (2005). Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. Porto Alegre: Bookman.

Goeldner, C. R.; Ritchie, J. R. B.; Mcintosh, R. W. (2002). Turismo: princípios, práticas e filosofias. 8º ed. São Paulo: Bookman.

Gouvea, M. A .& Yamauchi, E. C. I. (1999). Marketing de serviços: uma visão do turismo no Brasil. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v.1, no. 9, p. 19 – 40.

Grönroos, Christian. (2003) Marketing gerenciamento e serviços. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 481 p.

Hooley, Graham; Nigel F. Piercy & Saunders, John. (2001). Estratégia de Marketing e Posicionamento Competitivo. São Paulo: Prentice-Hall.

Ibope - Ibope Media

http://www.ibope.com/pt-br/noticias/paginas/numero-de-pessoas-com-acesso-a-internet-no-brasil-chega-a-105-milhoes.aspx - Acesso em 05/08/2015.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing. 10º ed. São Paulo: Atlas.

Lovelock, Christopher & Wirtz, Jochen (2006). Marketing de Serviços: Pessoas, tecnologia e resultados. 5º ed. São Paulo: Pearson Prentice hall.

Malhotra, Naresh K. (2001). Pesquisa de marketing: Uma Orientação Aplicada. 3º ed. Porto Alegre: Bookmam.

Montanari, M. G., & Giraldi, J. M. E. (2013). Competitividade no turismo: Uma comparação entre Brasil e Suíça. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 7, n. 1, p. 92-113.

Parasuraman, A., Zeithaml, V. A., & Berry, L. L. (1985). A conceptual model of service quality and its implications for future research. The Journal of Marketing, 41-50.

Ramos, C. M., Rodrigues, P. M., & Perna, F. (2009). Sistemas e tecnologias de informação no sector turístico. Revista Turismo & Desenvolvimento, n. 12, p. 21-32.

Reis, B. M. S. S.; Ferreira, W. R. Fortes, M.; & Bahia, E. T. (2011). Análise comparativa entre investimentos e benefícios gerados pelo turismo nos países latino-americanos por meio da análise por envoltória de dados – DEA. 245. Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, v. 13, n. 2, p. 244-259 / mai-ago.

Schmitt, B. H. (2002). Marketing experimental. Exame. NBL Editora.

Spiller, Eduardo Santiago et al (2006). Gestão de serviços e marketing interno. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 138 p.

WTTC. World Travel & Tourism Council. Data Gateway, www.wttc.org, Acesso em 05/08/2015.

Vicentim, I. C. & Hoppen, N (2004). A internet no negócio de turismo no Brasil: utilização e perspectivas. PPGA/UFRGS. Disponível em: http://ww1.capes.gov.br/estudos/dados/2003/42001013/027/2003_027_420010130 5P1_Prod_Bib.pdf. Acesso em: 22 fev. 2015.

Zeithaml, Valarie A. & Bitner, May Jô. (2003). Marketing de serviços: a empresa com foco no cliente. 2. ed. Porto Alegre: Bookman,. 536 p.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000