“O Respeito fez Check In!”: Entendendo a Dimensão Atitudinal e Programática nos Hotéis Sob a Visão dos Gestores Hoteleiros e dos Consumidores com Deficiência Física

Jefferson Oliveira da Silva-Lacerda, Rayane Fernandes Mano, Nelsio Rodrigues de Abreu, Renata Francisco Baldanza

Resumo


Por muitos anos as pessoas com deficiência eram relegadas as camadas mais inferiores da sociedade. Em muitas culturas ter uma deficiência era sinônimo de estar doente, ser improdutivo e inválido. No decorrer dos anos estes indivíduos conquistaram direitos antes inimagináveis, como por exemplo, o direito a acessibilidade em qualquer ambiente de consumo. Assim, com uma abordagem qualitativa do tipo descritiva e através da análise do discurso de vinte e três entrevistas semiestruturadas, este trabalho pode identificar as ações de acessibilidade em meios hoteleiros, principalmente no tocante a dimensão atitudinal e programática, assim como verificar sua implantação na visão dos gestores hoteleiros e das pessoas com deficiência física consumidoras deste serviço. Para tanto, observou-se que os gestores entrevistados sempre atrelam as dimensões de acesso tão somente às questões estruturais do hotel. Já os consumidores com deficiência, na maioria dos discursos, ligam a acessibilidade principalmente ao direito ir e vir. Diante disso, infere-se que esta pesquisa se mostra fundamental tendo em vista que estas pessoas com deficiência física são consumidoras e tem o direito ao acesso em todos os ambientes, inclusive o serviço turístico.

 


Palavras-chave


Acessibilidade; Empresa Hoteleira; Marketing e Sociedade.

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). (2002). NBR 9050: acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro,

BAKER, S. M.; HOLLAND, J.; KAUGMAN-SCARBOROUGH, C. (2007). How consumers with disabilities perceive “welcome” in retail services capes: a critical incident study. Journal of Service Marketing, v. 21, n. 3, p. 160-173.

BRASIL. Senado Federal. (2003). Estatuto da pessoa portadora de deficiência: a natureza respeita as diferenças. 3. ed. Brasília: Senado Federal. Disponível em: http://www2.senado.gov.br/bdsf/item/id/7 Acesso em: 12 jul. 2013.

BRASIL. Ministério do Turismo. Secretaria Nacional de Políticas de Turismo. (2006). Turismo e Acessibilidade: manual de orientações. MTUR. Brasília: Ministério do Turismo. Disponível em: http://www.turismo.gov.br/turismo/o_ministerio/publicacoes

/cadernos_publicacoes/18_Manual_Acessibilidade.html Acesso em: 13 jul. 2013.

BRINCKMANN, Wanderleia Elisabeth; WILDGEN, Jairo Sidnei. (2003). Desafíos para los estudiosos del turismo: la construcción de la" sociedad inclusiva" y del" turismo accesible". Cuadernos de Turismo, n. 11, p. 41-58.

BURNETT, J. (1996). What services marketers need to know about the mobility-disabled consumer. The Journal of Services Marketing, v. 10, n. 3, p. 3-20.

CAMPBELL, C. (2006). Eu compro, logo sei que existo: as bases metafísicas do consumo moderno. In: ______; BARBOSA, L. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: FGV.

CASTELL, L. (2008). Building access for the intellectually disabled. Facilities, v. 26, n. ¾.

DUARTE, C. R. S.; COHEN, R. (2006). Proposta de metodologia de avaliação da acessibilidade aos espaços de ensino fundamental. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL NUTAU: INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS E SUSTENTABILIDADE, 2006, São Paulo. Anais... São Paulo: FAU/USP.

GOODRICH, K.; RAMSEY, R. (2011). Are consumers with disabilities receiving the services they need? Journal of Retailing and Consumer Services.

GOULART, R. (2007). As viagens e o turismo pelas lentes do deficiente físico praticante do esporte adaptado: um estudo de caso. 2007. Dissertação (Mestrado em Turismo)– Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul.

KAMIO, L.; SASSI, O. C. (2010). Inclusão social no Turismo. Revista Multidisciplinar da UNIESP – Saber Econômico, São Paulo, n. 9, jun.

KAUGMAN-SCARBOROUGH, C.; BAKER, S. (2005). Do people with disabilities believe the ADA has served their consumer interests. The Journal of Consumers Affairs, v. 39, n. 1, p. 1-26.

LOPES, M. C. (2009). Políticas de inclusão e governamentalidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 2.

MANENTE, M.; RODRIGUES, O.; PALAMIN, M. (2007). Deficientes auditivos e escolaridade: fatores diferenciais que possibilitam o acesso ao ensino superior. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 13, n. 1, p. 27-42.

MENDES, B. C.; DE PAULA, N. M. (2008). A hospitalidade, o turismo e a inclusão social para cadeirantes. Revista Turismo em Análise, v. 19, n. 2, p. 329-343.

RUDDELL, J.; SHINEW, K. (2006). The socialization process for women with physical disabilities: the impact of agents and agencies in the introduction to an elite sport. Journal of Leisure Research, v. 38, n. 3, p. 421-444.

SASSAKI, R. K. (2003a). Inclusão no lazer e no turismo: em busca da qualidade de vida. São Paulo: Áurea.

SASSAKI, R. K. (2003b). Como chamar as pessoas que têm deficiência. São Paulo: RNR.

SASSAKI, R. K. (2006). Inclusão: construindo uma sociedade para todos. 7. ed. Rio de Janeiro: WVA.

SASSAKI, R. K. (2009). Inclusão: acessibilidade no lazer, trabalho e educação. Revista Nacional de Reabilitação (Reação), ano XII, mar./abr.

SCHIVITZ, T. (2007). Acessibilidade: um passo para a hospitalidade nos meios de hospedagens. 2007. Trabalho de conclusão (Curso em Hospitalidade)– Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

SHI, L.; COLE, S.; CHANCELLOR, H. C. (2012). Understanding leisure travel motivations of travelers with acquired mobility impairments. Tourism Management.

SHIMOSAKAI, R. Turismo para deficientes. Disponível em: http://turismoadaptado.zip.net/ Acesso em: 10 jul. 2013.

UPCHURCH, R.; SEO, J. (1996). Civic responsibility and marketing positioning: complying with the Americans with Disabilities Act. Facilities, v. 14, n. 5/6, p. 48-56, maio/jun.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.