A Prática da Governança Corporativa e sua Influência para os Stakeholders Envolvidos no Desenvolvimento de um Projeto Esportivo do SESI-SP

Felipe de Pilla Varotti, João Manuel Malaia

Resumo


O SESI-SP, entidade sem fins lucrativos, firmou parceria com o British Council e Premiership Rugby para desenvolver o projeto esportivo TRY Rugby-SP.  Essas entidades internacionais, impulsionadas pelo cenário favorável ao crescimento do rúgbi no Brasil, procuravam uma organização esportiva que possuísse uma estrutura de gestão semelhante a que utilizam. Visualizaram no SESI-SP os princípios de Governança Corporativa. Por meio de uma pesquisa qualitativa e exploratória, utilizando-se de um estudo de caso, analisamos como a Transparência, Equidade, Prestação de Contas e Responsabilidade Corporativa, ou seja, boas práticas de Governança Corporativa, foram utilizadas para desenvolvimento do projeto esportivo TRY Rugby-SP. Verificamos também como a Governança Corporativa influenciou os principais stakeholders - British Council e Premiership Rugby  - e os motivos que os levaram a ter credibilidade no SESI-SP para que aportassem recursos neste projeto. Os dados foram coletados utilizando a triangulação com as seguintes ferramentas: Observação e participação direta de um dos pesquisadores, Análise de Documentos e Entrevistas. Os sujeitos deste estudo foram os stakeholders principais envolvidos, somente aqueles que aportaram recursos financeiros para a execução do projeto. O sistema de gestão e as boas práticas de Governança Corporativa do SESI-SP foram fundamentais para atrair o interesse de stakeholders. Assim, contribuímos para que organizações esportivas compreendam e passem a adotar as boas práticas da Governança Corporativa, valorizando a sua imagem institucional perante os seus possíveis stakeholders e atraindo maiores investimentos para execução de seus projetos.


Palavras-chave


Governança Corporativa; Governança Corporativa no Esporte; Stakeholders

Referências


Arap, S. (2012). Presidente da CBRu fala sobre os próximos planos do Brasil no rúgbi. http://maquinadoesporte.uol.com.br/artigo/entrevista-sami-arap-sobrinho_308.html.

Biancolino, C. A., Kniess, C. T., Maccari, E. A., & Jr., R. R. (2012). Protocolo Para Elaboração De Relatos De Produção Técnica. Revista de Gestão E Projetos, 3(2), 294–307. http://doi.org/10.5585/gep.v3i2.121

Bourne, L., & Walker, D. H. T. (2006). Using a Visualising Tool to Study Stakeholder Influence - two Australian exmples. The Project Management Journal, 37(1), 5–21. Retrieved from www.mosaicprojects.com.au

Britishcouncil.org.br,. (2015). British Council | Brasil. Retrieved 13 June 2015, from http://www.britishcouncil.org.br

Byers, T., Slack, T., & Parent, M. (2012). Key Concepts in Sport Management. Sage.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa - Métodos Qualitativo, Quantitativo e Misto. (D. da Silva, Ed.) (3rd ed.). Porto Alegre: Artmed.

Deloitte,. (2011). Muito Além do Futebol - Estudo sobre esportes no Brasil.

Donaldson, T., & Preston, L. E. (1995). The Stakeholder Theory of the Corporation: Concepts, Evidence and Implications. Academy of Management, 20(1), 65–91.

Duarte, E., Cardozo, M. A., & Vicente, E. F. R. (2012). Governança : Uma Investigação da Produção Científica Brasileira no Período de 2000 a 2009. Contabilidade, Gestão E Governça, 15(1), 115–127.

Estadão,. (2009). COI inclui golfe e rugby entre esportes para jogos do Rio. Retrieved from http://www.estadao.com.br/noticias/geral,coi-inclui-golfe-e-rugby-entre-esportes-para-jogos-do-rio,448447

Fawcett, S. E., Waller, M. a., Miller, J. W., Schwieterman, M. a., Hazen, B. T., & Overstreet, R. E. (2014). A trail guide to publishing success: Tips on writing influential conceptual, qualitative, and survey research. Journal of Business Logistics, 35(1), 1–16. http://doi.org/10.1111/jbl.12039

Ferkins, L., & Shilbury, D. (2012). Good Boards Are Strategic : What Does That Mean for Sport Governance ? Journal of Sport Management, 26(1), 67–80.

Ferkins, L., & Shilbury, D. (2015). The Stakeholder Dilemma in Sport Governance : Toward the Notion of “ Stakeowner .” Journal of Sport Management, 29, 93–108.

Ferkins, L., Shilbury, D., & McDonald, G. (2005). The Role of the Board in Building Strategic Capability: Towards an Integrated Model of Sport Governance Research. Sport Management Review, 8(3), 195–225. http://doi.org/10.1016/S1441-3523(05)70039-5

Freeman, R. E. (1984). Strategic Management: A Stakeholder Approach. Boston: Pitman Publishing Inc.

Groeneveld, M. (2009). European Sport Governance, Citizens, And The State. Public Management Review, 11(4), 421–440. http://doi.org/10.1080/14719030902989516

Hamil, S., Morrow, S., Idle, C., Rossi, G., & Faccendini, S. (2010). The governance and regulation of Italian football. Soccer & Society, 11(4), 373–413. http://doi.org/10.1080/14660971003780297

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2009). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa (4th ed.). São Paulo: IBGC.

Leal, R. P. C., & Saito, R. (2003). Finanças Corporativas no Brasil. RAE Eletrônica, 2(2), 1–15. http://doi.org/10.1590/S1676-56482003000200005

Mainardes, E. W., Alves, H., Raposo, M., & Domingues, M. J. (2010). Categorização por Importência dos Stakeholders das Universidades. Revista Ibero-Americana de Estratégia - RIAE, 9(2176-0756), 4–43.

Mariotto, F. L., Zanni, P. P., & Moraes, G. H. S. M. De. (2014). What Is the Use of a Single-Case Study in Management Research ? Rae, 54(4), 358–369. http://doi.org/10.1590/S0034-759020140402

Marques, D. S. P., & Costa, A. L. (2009). Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração, 44(2), 118–130. Retrieved from http://www.spell.org.br/documentos/ver/6829/governanca-em-clubes-de-futebol--um-estudo-comparativo-de-tres-agremiacoes-no-estado-de-sao-paulo

Marques, J. C., & Cafeo, M. R. G. (2014). Mulheres Fazem Isso? – Análise das Estratégias de Gestão do Rúgbi Feminino no Brasil. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, 03(02), 26–40. http://doi.org/10.5585/podium.v3i2.91

Marques, M. (2007). Aplicação dos Princípios da Governança Corporativa ao Sector Público. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 11(2, Abr/Jun), 11–26.

Miragaia, D. A. M., Ferreira, J., & Carreira, A. (2014). Do Stakeholders mater in Strategic Decision making of a Sports Organization? RAE - Revista de Administração de Empresas, 54(6), 647–659.

Mitchell, R. K., Agle, B. R., & Wood, D. J. (1997). Toward a Theory of Stakeholder Identification and Salience : Defining the Principle of Who and What Really Counts. The Academy of Management Review, 22(4), 853–886.

Olander, S. (2007). Stakeholder impact analysis in construction project management. Construction Management and Economics, 25(3), 277–287. http://doi.org/10.1080/01446190600879125

Orth, A. I., & Prikladnicki, R. (2009). Planejamento e gerência de projetos. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Paiva Júnior, F. G. De, Leão, A. L. M. D. S., & Mello, S. C. B. De. (2011). Validade e confiabilidade na pesquisa qualitativa em administração. Revista de Ciências Da Administração, 13(31), 190–209. http://doi.org/10.5007/2175-8077.2011v13n31p190

Phillips, R., Freeman, R. E., & Wicks, A. C. (2003). What Stakeholder Theory Is Not. Business Ethics Quaterly, 13(04), 479–502. http://doi.org/10.1017/S1052150X00006710

Premiershiprugby.com,. (2015). Premiership Rugby | Official Site | Aviva Premiership. Retrieved 16 June 2015, from http://www.premiershiprugby.com

Premiershiprugby.com,. (2015). Try Rugby SP Programme. Retrieved 16 June 2015, from http://www.premiershiprugby.com/community/play/try_rugby_sp_programme.php#jbML7hWtjUgt5uKC.97

Ribeiro, H. C. M. (2014). O Envolvimento da Governança Corporativa, sob a ótica da Toeria dos Stakeholders, na Gestão e no Controle das Entidades Esportivas. Universidade Nove de Julho - UNINOVE.

Ribeiro, M. A. de S. (2012). Modelos De Governança E Organizações Esportivas : Uma Análise Das Federações E Confederações. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas.

Rugbyready.worldrugby.org,. (2015). Rugby Ready - World Rugby's preparation resource :. Retrieved 14 June 2015, from http://rugbyready.worldrugby.org

Senaux, B. (2008). A stakeholder approach to football club governance. International Journal of Sport Management and Marketing, 4(1), 4–17.

SESI. (2015). Caderno Didático de Rugby. São Paulo: SESI-SP Editora.

SESI-SP,. (2014). Relatório de Gestão Anual da Divisão de Esporte e Qualidade de Vida do SESI-SP.

Shilbury, D., Ferkins, L., & Smythe, L. (2013). Sport governance encounters: Insights from lived experiences. Sport Management Review, 16(3), 349–363. http://doi.org/10.1016/j.smr.2012.12.001

Skaf, P. (2012). Sesi-SP lança programa inédito de rugby para jovens em parceria com British Council e Premiership Rugby. http://www2.sesisp.org.br/home/2006/news/news.asp?cdgn=2338

Sotiriadou, K. (Popi). (2009). The Australian sport system and its stakeholders: development of cooperative relationships. Sport in Society, 12(7), 842–860. http://doi.org/10.1080/17430430903053067

Souza, F. C. De, Murcia, F. D.-R., & Marcon, R. (2011). Bonding Hypothesis : Análise da Relação Entre Disclosure , Governança Corporativa e Internacionalização de Companhias Abertas no Brasil. Contabilidade, Gestão E Governança, 14(2), 62–81.

SP, S. (2015). Serviço Social da Indústria SESI-SP. Sesisp.org.br. Retrieved 14 June 2015, from http://www.sesisp.org.br

Weitzner, D., & Peridis, T. (2011). Corporate Governance as Part of the Strategic Process: Rethinking the Role of the Board. Journal of Business Ethics, 102, 33–42. http://doi.org/10.1007/s10551-011-1195-0


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.