Fatores Contábeis Explicativos da Política de Estrutura de Capital dos Clubes de Futebol Brasileiros

Paulo Roberto da Cunha, Cleston Alexandre dos Santos, Juçara Haveroth

Resumo


Este artigo teve por objetivo evidenciar os fatores contábeis explicativos da política de estrutura de capital dos clubes de futebol brasileiros. O estudo caracteriza-se como descritivo, realizado por meio de análise documental e abordagem quantitativa. Foram analisados 40 clubes de futebol, sendo 20 da série A, 15 da série B e 5 da série C com as demonstrações contábeis de 2015 publicadas. A análise dos dados foi realizada por meio de análise descritiva, correlação de Pearson e análise de regressão múltipla por meio do Software SPSS® versão 22.0. Os resultados encontrados apontam que o tamanho e rentabilidade influenciam de forma negativa o endividamento dos clubes de futebol enquanto a tangibilidade influência de forma positiva o mesmo, confirmando estas hipóteses. Ao contrário a liquidez e o intangível, não foram consideradas estatisticamente significantes, ou seja, não influenciam de forma significativa e negativa o endividamento dos clubes de futebol brasileiros das séries A, B e C pesquisados, refutando para estes casos as hipóteses levantadas.


Palavras-chave


Clubes de futebol brasileiros; Estrutura de capital; Endividamento.

Referências


Assaf Neto, A. (2010). Estrutura de análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro. 9. ed. São Paulo: Atlas.

Bah, R., & Dumontier, P. (2001). R&D intensity and corporate financial policy: Some international evidence. Journal of Business Finance & Accounting, 28(5-6), 671-692. DOI: 10.1111/1468-5957.00389.

Balakrishnan, S., & Fox, I. (1993). Asset specificity, firm heterogeneity and capital structure. Strategic Management Journal, 14(1), 3-16. DOI: 10.1002/smj.4250140103.

Bastos, D. D., & Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças, 20(50), 75-94.

Bastos, D. D., Nakamura, W. T., & Basso, L. F. C. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas na América Latina: um estudo empírico considerando fatores macroeconômicos e institucionais. Revista de Administração Mackenzie, 10(6), 47-77. DOI: 10.1590/S1678-69712009000600005.

Brandão, A. R. (2012). O endividamento dos clubes de futebol no Brasil. Dissertação de mestrado. Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil.

Brito, G. A. S., Corrar, L. J., & Batistella, F. D. (2007). Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 18(43), 9-19. DOI: 10.1590/S1519-70772007000100002.

Brito, R. D., & Lima, M. R. (2005). A escolha da estrutura de capital sob fraca garantia legal: o caso do Brasil. Revista Brasileira de Economia, 59(2), 177-208. DOI: 10.1590/S0034-71402005000200002.

Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias Filho, J. M. (2007). Análise Multivariada para os Cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. São Paulo: Editora Atlas.

Costa Pereira, A. G., Brunozi Júnior, A. C., Kronbauer, C. A., & Abrantes, L. A. (2015). Eficiência técnica e desempenho econômico-financeiro dos clubes de futebol brasileiros. Reuna, 20(2), 115-138.

Couto, G., & Ferreira, S. (2010). Os determinantes da estrutura de capital de empresas do PSI 20. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 9(1-2), 26-38.

Damascena, L. G., & Paulo, E. (2013). Pareceres de auditoria: um estudo das ressalvas e parágrafos de ênfase constantes nas demonstrações contábeis das companhias abertas brasileiras. Revista Universo Contábil, v.9, n.3, p. 104-127.

Dantas, M. G. S., & Boente, D. R. (2011). A eficiência financeira e esportiva dos maiores clubes de futebol europeus utilizando a análise envoltória de dados. Revista de Contabilidade e Organizações, 5(13), 75-90. DOI: 10.11606/rco.v5i13.34805.

Dantas, M. G. S., Machado, M. A. V., & da Macedo, M. A. da S. (2015). Fatores determinantes da eficiência dos clubes de futebol do Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(1), 113-132.

Deesomsak, R., Paudyal, K., & Pescetto, G. (2004). The determinants of capital structure: evidence from the Asia Pacific region. Journal of Multinational Financial Management, 14(4), 387-405. DOI :10.1016/j.mulfin.2004.03.001.

Fávero, L. P., Belfiore, P., Silva, F., & Cham, B. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisão. São Paulo: Campus.

Frey, I. A., & Cunha, R. Z. (2014). Demonstrações contábeis dos clubes de futebol do campeonato catarinense de 2012: verificação da adequação à legislação vigente. REAVI-Revista Eletrônica do Alto Vale do Itajaí, 3(4), 12-24. DOI: 10.5965/2316419003042014012.

Gomes, G. L., & Leal, R. P. C. (2000). Determinantes da estrutura de capitais das empresas brasileiras com ações negociadas em bolsas de valores. In: Leal, R. P. C., Costa Jr., Newton C. A., Lemgruber, E. F. Finanças Corporativas. São Paulo: Atlas, p. 42-57.

Greene, W. H. (2012). Econometric Analysis. 7. ed. New Jersey: Prentice Hall.

Gujarati, D. N. (2006). Econometria Básica. Tradução Maria José Cyhlar Monteiro. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Guzmán, I., & Morrow, S. (2007). Measuring efficiency and productivity in professional football teams: evidence from the English Premier League. Central European Journal of Operations Research, 15(4), 309-328. DOI: 10.1007/s10100-007-0034-y.

Harris, M., & Raviv, A. (1991). The theory of capital structure. The Journal of Finance, 46(1), 297-355. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1991.tb03753.x.

Holanda, A. P., Meneses, A. F. D., Mapurunga, P. V. R., De Luca, M. M. M., & Coelho, A. C. D. (2012). Determinantes do nível de disclosure em clubes brasileiros de futebol. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(1), 2-17.

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360. DOI :10.1016/0304-405X(76)90026-X.

Kaveski, I. D. S., Degenhart, L., Vogt, M., & Silva, T. P. (2015). Determinantes de la estructura de capital de las empresas brasileñas de tecnología de la información. Revista CTS, v.10, n.29, p. 235-262.

Kayo, E. K., Teh, C. C., & Basso, L. F. C. (2006). Ativos intangíveis e estrutura de capital: a influência das marcas e patentes sobre o endividamento. Revista de Administração, 41(2), 158-168. DOI: 10.1590/S0080-21072006000200004.

Kayo, E. K., & Kimura, H. (2011). Hierarchical determinants of capital structure. Journal of Banking & Finance, 35(2), 358-371. DOI:10.1016/j.jbankfin.2010.08.015.

Kennedy, P. (1998). A guide to econometrics. 4. ed. Oxford:

Blackwell.

Kim, D. Y., & Kim, J. Y. (2013). Effects of corporate social responsibility and corporate governance on determining audit fees. International Journal of Multimedia and Ubiquitous Engineering, 8(2), 189-196.

Maroco, J. (2007). Análise estatística com utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Edições Sílabo.

Marques, D. S. P., & Costa, A. L. (2009). Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração da USP, 44(2), 118-130.

Matarazzo, D. C. (2010). Análise financeira de balanços: abordagem gerencial. 7. ed. São Paulo: Atlas.

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1958). The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. The American Economic Review, 48(3), 261-297.

Mota, A. F., Brandão, I. de F., & Ponte, V. M. R. (2016). Disclosure e materialidade: evidências nos ativos intangíveis dos clubes brasileiros de futebol. RACE-Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 15(1), 175-200. DOI: 10.18593/race.v15i1.6326.

Myers, S. C. (1984). The capital structure puzzle. The Journal of Finance, 39(3), 574-592. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1984.tb03646.x.

Myers, S. C., & Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, 13(2), 187-221. DOI: 10.1016/0304-405X(84)90023-0.

Myers, S. C., Rajan, R. G. (1998). The Paradox of Liquidity. Quarterly Journal of Economics, 113(3),733-771. DOI:10.1162/003355398555739.

Nakamura, W. T., Martin, D. M. L., Forte, D. Carvalho Filho, A. F. de, Costa, A. C. F. da, & Amaral, A. C. do. (2007). Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro: análise de regressão com painel de dados no período 1999-2003, Revista Contabilidade & Finanças, 18(44), 72-85. DOI: 10.1590/S1519-70772007000200007.

O’Brien, J. P. (2003). The capital structure implications of pursuing a strategy of innovation. Strategic Management Journal, 24(5), 415-431. DOI: 10.1002/smj.308.

Perobelli, F. F., & Famá, R. (2002). Determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 37(3), 33-46.

Pohlmann, M. C., & De Iudícibus, S. (2010). Relação entre a tributação do lucro e a estrutura de capital das grandes empresas no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 21(53), 1-25. DOI:10.1590/S1519-70772010000200002.

Rajan, R. G., & Zingales, L. (1995). What do we know about capital structure? Some evidence from international data. The Journal of Finance, 50(5), 1421-1460. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1995.tb05184.x.

Reis, R. T., & Neto, V. G. (2015). Análise das mudanças dos fatores determinantes da estrutura de capital em função do ciclo de vida de empresas brasileiras no período de 2008 a 2013. Revista de Tecnologia Aplicada, 3(1), 42-53.

Rezende, A. J., Dalmácio, F. Z., & Salgado, A. L. (2010). Nível de disclosure das atividades operacionais, econômicas e financeiras dos clubes brasileiros. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(2), 36-50.

Rezende, A. J., & Dalmácio, F. Z. (2015). Práticas de Governança Corporativa e Indicadores de Performance dos Clubes de Futebol: uma Análise das Relações Estruturais. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(3), 105-125.

Silva, J. D., & Carvalho, F. A. A. (2009). Evidenciação e desempenho em organizações desportivas: um estudo empírico sobre clubes de futebol. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(6), 96-116.

Silva, C. V. D. G. F., & Campos Filho, L. A. N. (2006). Gestão de clubes de futebol brasileiros: fontes alternativas de receita. Sistemas & Gestão, 1(3), 195-209.

Silva, A. N. V. (2009). A gestão dos centros de treino dos clubes de futebol. Porto, 2009.162 f. Tese (Mestrado) Curso de Mestrado em Gestão Esportiva – Universidade do Porto, Porto.

Silva, C. A. T., Teixeira, H. M., & Niyama, J. K. (2009). Evidenciação contábil em entidades desportivas: uma análise dos clubes de futebol brasileiros. In Congresso USP de Controladoria e Contabilidade (Vol. 9).

Tabachnick, B., & Fidell, L. S. (1996). Using multivariate statistics. 3. ed. New York: Harper Collins.

Tedeschi, P. (1997). Estrutura de Capital: Uma Investigação sobre seus Determinantes no Brasil. São Paulo, 1997. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas.

Titman, S., & Wessels, R. (1988). The determinants of capital structure choice. The Journal of Finance, 43(1), 1-19. DOI: 10.1111/j.1540-6261.1988.tb02585.x.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000