Proposta de Atributos de Serviços e de Indicadores de Desempenho para Academias Fitness

Elis Maria Motta, Mário César Barreto Moraes

Resumo


Nos últimos anos, o mercado de academias de musculação e ginástica, também conhecido como fitness, tem evidenciado um grande crescimento no Brasil. Em virtude do aumento da concorrência, as academias tradicionalmente gerenciadas principalmente por profissionais de Educação Física estão sendo pressionadas por franquias lideradas por executivos capacitados e com recursos para atuar no mercado. Nesse sentido, este estudo teve por objetivo propor uma matriz de atributos de serviços e de desempenho considerada relevante sob a ótica dos gestores de academias, profissionais e clientes para a melhoria do desempenho e da competitividade dessas empresas. Construída uma base teórica sobre o tema, foi envidada pesquisa junto a gestores, clientes e colaboradores de três academias de Florianópolis, SC, os quais avaliaram os atributos de serviços mais relevantes para essas empresas. A avaliação dos indicadores de desempenho foi realizada apenas pelos gestores. Os dados foram coletados no segundo trimestre de 2016. Através dos resultados, pôde-se concluir que é necessário contextualizar os atributos e os indicadores para cada academia. No caso dos atributos, a avaliação dos clientes é essencial, portanto pesquisas periódicas são necessárias. Quanto aos indicadores de desempenho, verificou-se que os gestores conhecem uma parte deles, mas pouco os utilizam, sendo necessária uma mudança de comportamento na administração dessas empresas para garantir a sobrevivência do negócio.


Palavras-chave


Administração de Academias de Musculação e Ginástica; Atributos Organizacionais; Indicadores de Desempenho; Gestão do EsporteAdministração de Academias de Musculação e Ginástica; Atributos de Serviços; Indicadores de Desempenho; Gestão do Esporte.

Referências


Amoroso, L. (2014). Fitness management: o sucesso da sua academia de forma simples e eficaz. Pompeia, SP. Apresentação em PowerPoint.

Amoroso, L. (2015). Fitness management: o sucesso da sua academia de forma simples e eficaz. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2015.

Arellano, E. B. (2008). Avaliação dos programas de qualidade de vida no trabalho – análise crítica das práticas das organizações premiadas no Brasil. 194 p. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo FCP/FEA/FSP, Pós-Graduação Interunidades em Nutrição Humana Aplicada – PRONUT, São Paulo.

Baptista, M. (2015). Brazil: it's hot, hot, hot! The expanding IHRSA universe: a primer on a rapidly growing and maturing market. Club Business International, Boston, v. 35, n. 5, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 mai de 2015.

Cárdenas, A. R. (2013). A atuação de gestores esportivos e a formação, relacionada à gestão, oferecida em cursos de graduação em educação física. 140 p. Dissertação (mestrado) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas, Mestrado em Profissional em Administração, Florianópolis.

Cárdenas, A.; Amboni, N.; Dias, J. (2014). Análise da Sazonalidade em uma Academia de Ginástica de Florianópolis, Santa Catarina. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, vol. 03, p. 29-37, 2014.

Certo, S. C. (2005). Administração moderna. 9. ed. São Paulo: Prentice-Hall.

Costa, R. S.; Jardim, E. G. M. (2010). As Cinco Principais Dimensões do Diagnóstico Operacional. Rio de Janeiro, RJ. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2015.

Coutinho, L. G.; Ferraz, J. C. (2002). Estudo da competitividade da indústria brasileira. 4. ed. Campinas: Papirus.

Cronin, J. J.; Taylor, S. A. (1992). Measuring Service Quality: a Reexamination and Extension. Journal of Marketing, vol. 56, n. 3, p. 55-58.

Ferrand. A., Robinson, L., Valette-Florence, P. (2010). The Intention-to-Repurchase Paradox: A Case of the Health and Fitness Industry. Journal of Sport Management, vol. 24, p. 83-105.

Fitzsimmons, J. A.; Fitzsimmons, M. J. (2005). Administração de serviços: operações, estratégia e tecnologia da informação. Porto Alegre: Bookman.

Fontes, L. B. (1966). Princípios de produtividade. São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Gitman, L. J. (2004). Princípios de administração financeira. 10. ed. São Paulo: Pearson/Addison Wesley.

Globonews. (2014). Crescimento do mercado de academias no Brasil. Mundo S/A. Reportagem. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2015.

Gronroos, C. (2009). Marketing: gerenciamento e serviços. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (1997). A estratégia em ação: balanced scorecard. 26. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lopes, F. P. (2013). Indicadores para a avaliação de aspectos de sustentabilidade ambiental, social e econômica – estudo em indústrias do setor eletroeletrônico da Grande Curitiba. 214 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Curitiba.

Moreira, A. T. et al. (2014). Um estudo comparativo do EBITDA e do fluxo de caixa operacional em empresas brasileiras do setor de telecomunicações. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, vol. 4, n. 3, p. 05-22, set./dez.

Oliveira, M. V. F. (2013). Indicadores Financeiros e Contábeis Privilegiados pelas Empresas de Base Tecnológica Associadas ao MIDI – Tecnológico de Santa Catarina. 135 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas, Mestrado Profissional em Administração, Florianópolis.

Parasuraman, A.; Zeithaml V. A.; Berry L. L. (1985). A Conceptual Model of Service Quality and its Implications for Future Research. Journal of Marketing, v. 49, n. 4, p. 41-50.

Perdomo, L. (2014). IHRSA Global Report 2014: novos dados do mercado fitness. Acade Gestão de Academias. Entrevista. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2015.

Pereira Filho, E.; Campos, D. F.; Dantas, M. L. R. (2013). Mensuração da qualidade de serviço em academias de ginástica: das escalas padronizadas ao desenvolvimento de uma escala específica. Holos, Natal, vol. 5, ano 29, 175-190.

Sebrae. (2014). Brasil caminha para assumir liderança mundial em número de academias. Pequenas Empresas & Grandes Negócios. Reportagem. Disponível em: . Acesso em: 16 jun. 2016.

Slaper, T. F. (2011). The Triple Bottom Line: What Is It and How Does It Work? Indiana Business Review, p. 04-08.

Totaro, P. (2016). Como calcular a capacidade de atendimento de uma academia [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 17 fev. 2016.

Zeithaml, V. A.; Bitner, M. J; Gremler, D. D. (2011). Marketing de serviços: a empresa com foco no cliente. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000