Planejar não Ganha Título? Proposta de Modelo de Planejamento Estratégico para Gestão de Clubes de Futebol Baseado nos Principais Pilares a Partir da Percepção dos Principais Atores do Universo do Futebol

Gabriel Roberto Dellacasa Levrini, Guilherme Santos Barrionuevo de Oliveira

Resumo


Alcançar os objetivos dentro de uma empresa requer um planejamento sobre aquilo que se deseja atingir. Em um clube de futebol não é diferente. Os clubes de futebol brasileiros são instituições que, embora o volume financeiro circulante seja grande, geralmente são estruturas deficitárias e ineficientes. As dívidas dos principais 12 clubes brasileiros ultrapassaram R$ 5 bilhões em 2014, embora a audiência e as receitas tenham crescido muito acima do PIB. Este artigo tem como objetivo principal propor um modelo de planejamento estratégico para a gestão de clubes de futebol a partir da atual percepção dos principias atores (atletas, dirigentes, conselheiros, jornalistas, executivos etc.) do mundo do futebol e dos casos de sucesso como “benchmark” apresentados pela literatura. Buscou-se ainda como objetivos específicos identificar os principais pilares estratégicos para nortear esse propósito. O design da pesquisa teve duas fases: a primeira, qualitativa, em que se entrevistaram 4 executivos de futebol, e uma segunda fase, quantitativa, em que se aplicaram 203 questionários aos 06 diferentes grupos amostrais classificados por suas funções: atletas, sócios, executivos, conselheiros/dirigentes, comissão técnica e jornalistas. O survey não mostrou diferenças significativas entre os grupos em relação à importância do planejamento estratégico, com exceção do grupo conselheiros, que mostrou divergências nas respostas relativas à governança nos clubes. Os dados sugerem que a transição da estrutura organizacional tradicional para uma estrutura de clube-empresa ainda sofre barreiras impostas pela vaidade ou incapacidade de seus dirigentes e pela cultura imediatista por resultados.

 


Palavras-chave


Gestão; Planejamento estratégicos; Pilares estratégicos

Referências


Andrea, C. (2014). De Fora da área – Entrevista ao Caderno Esportes Jornal Zero Hora em 29/10/2014. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/esportes/noticia/2014/10/claudio-andrea-a-gestao-do-clube-de-futebol-4631190.html. Acesso em: 25 jun. 2016.

Aguiar, A. A. de. (2004). Modernização da Gestão: gestão estratégica, profissionalização, governança corporativa e criação de unidades de negócios para ampliação das receitas. Porto Alegre: Bookman.

Aidar, A. C. K.; Leoncini, M. P.; Oliveira, J. J. de. (2002). A Nova Gestão do Futebol. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV.

Albino, J. C. A.; Carrieri, A. P.; Figueiredo, D.; Saraiva, F. H.; Barros, F. L. R. S. (2009). Sport Club Internacional e a constituição da identidade corporativa de clube-empresa. Organizações & Sociedade, v. 16, n. 48.

Azevedo, P. H. (2009). O Esporte como negócio: Uma visão sobre a gestão do esporte nos dias atuais. Revista Estudos, Goiânia, v. 36, n. 9/10, p. 929-939.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70.

Berton, R.; Bazanini, R.; Donaire, D. (2013). Mercado de bens simbólicos do futebol: A estratégia empreendedora da Gestão Andrés Sanchez no Sport Club Corinthians Paulista. PODIUM: Sport, Leisure and Tourism Review, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 25-56.

Brady, C.; Belchover, D.; Sturgess, B. (2012). Gerenciamento do talento na Economia: O modelo do futebol para os negócios. Engineering Management Review, IEEE, [S.I.], v. 40, n. 1, p. 58-72.

Brasil. Lei no 8.672/93 de 6 de julho de 1993 – Institui normas gerais sobre desportos, e dá outras providênias. Diário Oficial da União, 07 jul. 1993.

Brunoro, J. C.; Afif, A. (1998). Futebol 100% profissional. São Paulo: Gente.

Capelo, R. Pelo fim da profissionalização oposta à tradição no futebol brasileiro em 2015. Globo Esporte. (2015). Disponível em: http//globoesporte.globo.com/blogs/especialblog/dinheiro-em-jogo/post/pelofimdaprofissionalização. Acesso em: 25 jun. 2016.

Carraveta, E. (2012). Futebol: a formação de times competitivos. Porto Alegre: Sulina.

Chadwick, S.; Thwaites, D. (2001). Strategic Collaborative Relationships Involving English Professional Football Clubs: A Proposed Typology, Leeds: Proceedings of the British Academy of Management Conference.

Chiavenato, I. (1994). Princípios da administração: o essencial em teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Elsevier.

Clube dos 13. (2006). Relatório semestral, 2006. Disponível em: http://clubedostreze.globo.com/Site/Component/noticias-11-05-2006.aspx. Acesso em: 27 abr. 2016.

Collins, J. C.; Lazier, W. C. (1996). Feitas para vencer. Rio de Janeiro: Ediouro.

Confederação Brasileira de Futebol (CBF). (1998). Dossiê de Modernização do Futebol Brasileiro. Disponível em: http://universidadedofutebol.com.br/planejamento-estrategico-uma-metodologia-para-gestao-de-clubes-de-futebol-no-brasil/. Acesso em: 25 jun. 2016.Correio Braziliense. (2015). Europa não perdoa dívidas e clubes fecham as portas. Disponível em: http://www.mg.superesportes.com.br/app/noticias/futebol/futebol-internacional/1,200,19,88/2015/03/15/noticia_futebol_internacional,59884/europa-nao-perdoa-dividas-e-clubes-tradicio. Acesso em: 23 abr. 2016.

Costa, E. A. (2006). Gestão Estratégica. São Paulo: Saraiva.

Cunha, C. J. C. A. (1996). Planejamento estratégico: uma abordagem prática. Florianópolis: Publicação do NEST – Núcleo de Estudos – Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas da UFSC, Universidade Federal de Santa Catarina, 76 p.

Drucker, P. (1973). Management: Tasks, Responsabilities, Practices. New York: Harper& Row.

Estender, A. C. (2013). A Importância da administração profissional para os clubes de futebol. Revista RAD, v.15, n. 3, p. 18-32.

Federation Internationale de Football Association (FIFA). (2016). Club World Cup 2000. Disponível em: http://www.fifa.com/clubworldcup/archive/brazil2000/. Acesso em: 25 jun. 2016.

Fischmann, A. A.; Almeida, M. I. R.; Costa, B. K. (2000). Análise estratégica na gestão de empresas hoteleiras: Aplicação de um modelo. Florianópolis: ENANPAD.

Freitas, M.; Farias, R.; Flag, L. (2015). Análise da eficiência dos gastos dos clubes brasileiros de futebol com análise envoltória de dados e regressão tobit. Anais do XXII Congresso Brasileiro de Custos – Foz do Iguaçu, PR, Brasil.

Futbol Club Barcelona. (2016). Futbol Club Barcelona. Disponível em: http://www.fcbarcelona.com. Acesso em: 10 fev. 2016.

Futebol Clube do Porto (2016). Futebol Clube do Porto. Disponível em: http://www.fcporto.pt. Acesso em: 24 maio 2016.

Fynn, A.; Guest, L. (1998). For love or money: Manchester United and England: the business of Winning? Londres: Macmillan Publishers.

Globo Esporte. (2016a). Ranking das dívidas dos principais clubes brasileiros. Disponível em: http://globoesporte.globo.com/futebol/noticia/2015/05/fla-lidera-ranking-de-receitas-e-e-unico-dos-grandes-reduzir-divida-veja-lista.html. Acesso em: 23 maio 2016.

Globo Esporte. (2016b). Relatórios Rodrigo Capelo. Disponível em: http://globoesporte.globo.com/blogs/especial-blog/dinheiro-em-jogo/autor/rodrigo-capelo/1.html. Acesso em: 23 maio 2016.

Hill, M. M.; Hill, A. (2000). Investigação por questionário. Lisboa: Síbalo.

Jones, D. (2007). Football Money League: the reign in Spain. Manchester: Sports Business Group at Deloitte, 32 p.

Kaplan, R.; Norton, D. (2009). A Execução Premium. Rio de Janeiro: Campus.

Kern, M.; Sussmuth, B. (2010). Managerial efficiency in German Top League Soccer: an econometric analysis of club performances on and off pitch. German Economic Review, v. 6, p. 485-506.

Kokolakakis, T.; Lera-Lopez, F.; Panagouleas, T. (2012). Analysis of the determinants of sports participation in Spain and England. Applied Economics, v. 44, p. 2785-98.

Kotler, P. (1999). Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Futura.

Kotler, P. (2000). Administração de marketing. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall do Brasil.

Kotler, P.; Armstrong, G. (1993). Princípios de Marketing. 5. ed. Rio de Janeiro: Prentice Hall do Brasil.

Kotler, P.; Rein, I.; Shields, B. (2008). Marketing Esportivo: a reinvenção do esporte na busca de torcedores. Porto Alegre: Bookman.

Leite, D. U.; Pinheiro, L. E. T. (2014). Disclosure de ativo intangível: um estudo dos clubes de futebol brasileiros. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 33, n. 1, p. 89-101.

Leoncini, M.; Silva, M. T. (2005). Entendendo o Futebol como um Negócio: Um estudo exploratório. Gestão e Produção, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 11-23.

Leoncini, M. P. (2001). Entendendo o negócio futebol: um estudo sobre a transformação do modelo de gestão estratégica nos clubes de futebol. 168 p. Tese (Doutorado) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lima, P. H. S. M. (2003). Análise do processo de implantação do balanced scorecard: o caso da área de pelotização da CVRD – Cia Vale do Rio Doce. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) – UFSC, Florianópolis.

Lopes, L. P. D. (2009). Gestão Emocional da Marca: O Caso Futebol Clube do Porto. 97 f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Gestão do Porto, Porto – Portugal.

Maia Jr., H. (2015). O Flamengo agora dá lucro. Só falta ser campeão. EXAME.COM, São Paulo. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1090/noticias/. Acesso em: 22 maio 2016.

Manchester United Football Club. (2016). Manchester United Football Club. Disponível em: http://www.manutd.com. Acesso em: 14 jan. 2016.

Máximo, J.; Kaz, L. (2006). Brasil: um século de futebol arte e magia. Rio de Janeiro: Aprazível.

Mayer, M. M. (2010). Futebol: O negócio por trás do jogo – Estudo de caso do São Paulo Futebol Clube. 78 f. Dissertação (Mestrado) – F.G.V., Rio de Janeiro.

Noll, R. (2003). The Organization of sports leagues. Oxford Review of Economic Policy, v. 19, p. 530-51.

Oliveira, D. de P. R. de. (2005). Estratégia empresarial e vantagem competitiva: como estabelecer, implementar e avaliar. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Pedreira, R. B.; Neto, L. M.; Schmitt, V. G. H. (2008). Administração profissional em clubes de futebol: o caso do Goiás Esporte Clube. Petrópolis: Ed. Vozes.

Pereira, C. A.; Rezende, A. J.; Corrar, L. J.; Lima, E. M. (2013). A Gestão Estratégica de Clubes de Futebol: Uma Análise da Correlação entre Performance Esportiva e Resultado Operacional, Revista Contabilidade, Gestão e Governança, v. 23, n. 4, p 26-31.

Rezende, A. J.; Dalmacio, F. Z.; Salgado, A. L. (2010). Nível de disclosure das atividades operacionais, econômicas e financeiras dos clubes brasileiros. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v. 13, n. 2, p. 36-50.

Sanchez, A.; Oller, T. S. (2012). Corinthians, o mais louco do bando. São Paulo: G7 Books.

Santos, J. M. M. G. (2013). A Importância da Inovação e Brand Equity no Futebol. Estudo de Caso: Sport Lisboa e Benfica. 49 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa – Portugal.

São Paulo Futebol Clube. (2016). São Paulo Futebol Clube. Disponível em: http://www.saopaulofc.net. Acesso em: 19 abr. 2016.

Silva, R. G. S.; Añaña, E. S.; Alves, C. E. D. S.; Borges, G. R. (2014). Um estudo das relações entre a paixão dos torcedores e as marcas patrocinadoras de clubes de futebol. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 7, n. 3, p. 63-90.

Smith, D. (2006). Por que mentimos: Raízes evolutivas do Engodo e a Mente Inconsciente. São Paulo: Elsevier.

Somoggi, A. (2015). Análise dos dados financeiros dos clubes de futebol em 2014. São Paulo.

Soriano, F. (2010). A bola não entra por acaso: estratégias inovadoras de gestão inspiradas no mundo do futebol. São Paulo: Larousse.

Sport Club Corinthians Paulista. (2016). Sport Club Corinthians Paulista. Disponível em: http://www.corinthians.com.br. Acesso em: 08 maio 2016.

Sport Club Internacional. (2016). Sport Club Internacional. Disponível em: http://www.internacional.com.br. Acesso em: 25 maio 2016.

Sport Lisboa e Benfica. (2016). Sport Lisboa e Benfica. Disponível em: http://www.slbenfica.pt. Acesso em: 26 maio 2016.Suzuki Jr., M. (1997). O futebol brasileiro na era da globalização. Folha de São Paulo, São Paulo, v. 9, p. 12, 09 jan.

Szymanski, S.; Kuypers, T. (1999). Winners and Losers – The Business Strategy of Football. Inglaterra: Penguin Group, 1999.

Tuscany, H. (2014). Calcio Fiorentino 2014. Disponível em: http:/www.tuscany.info/cálcio-fiorentino. Acesso em: 19 maio 2016.

Universo on Line (UOL). (2015)Valor dos clubes 2015. Disponível em: http://esportes.uol.com.br/valor/. Acesso em: 03 abr. 2016.

Veja on Line. (2015). Clubes tradicionais são rebaixados por não pagar dívidas. Disponível em: http://veja.abril.com.br/esporte/na-europa-clubes-tradicionais-sao-rebaixados-por-nao-pagar-dividas2015/. Acesso em: 23 abr. 2016.

Viana, H.; Fontes Filho, J. R. A. (2011). Governança Corporativa nos Clubes de Futebol: um Estudo de Caso sobre o Clubes de Regatas do Flamengo. 2012. Revista ADM.MADE, Rio de Janeiro, ano 11, v. 15, n. 3, p. 39-60.

Zorzou, A.; Zorzou, J.; Laios, A.; Bebetsos, E; Kobodietas, D.; Apostolidis, N. (2014). Motivations, attitudes and behavioral intentions of soccer games spectators. Journal of Physical Education and Sport, v. 14, n. 4, n. 78, p. 507-513.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.