Crowdfunding como Alternativa no Turismo: Análise do Modus Operandi das Plataformas Brasileiras

Larissa Martins, Mirna de Lima Medeiros

Resumo


O sistema crowdfunding é uma forma de financiamento coletivo no qual as pessoas podem contribuir monetariamente com projetos que considerem relevantes, recebendo ou não compensação por essa contribuição. O presente trabalho buscou analisar as plataformas de crowdfunding existentes no Brasil como alternativa para projetos no âmbito do Turismo. O trabalho se mostra atual diante da ampliação recente do número dessas plataformas no país. Além disso, se faz relevante diante de um cenário de escassez de recursos, pois o método pode se mostrar interessante na medida em que facilita o acesso ao crédito ao mesmo tempo em que pode propiciar envolvimento do público alvo. Por meio de uma pesquisa descritiva, foram verificadas quais as plataformas existentes: Dezesseis foram encontradas, sendo que apenas doze destas foram analisadas, devido à existência de erros nos sites durante o período da pesquisa. Então, foram analisadas quanto ao modus operandi (existência de taxas, comissão, sistema “tudo ou nada”, recompensa ao contribuinte, etc.) e classificadas sobre quais possibilitam a inserção de projetos da área de turismo. Metade das plataformas contempla projetos diversos e, dessas seis, quatro contemplam projetos em Turismo. O modelo mais utilizado é o “tudo ou nada”, e os custos desse tipo de financiamento podem chegar a mais de 30% das contribuições, pois taxas de administração, de transação e até percentual de vendas do produto resultante do crowdfunding são cobradas. Assim, o sistema pode ser interessante ao empreendedor, ainda que os custos operacionais devam ser ponderados.


Palavras-chave


Crowdfunding; Empreendedorismo; Financiamento; Turismo.

Referências


Appolinário, F. (2012). Metodologia da Ciência: Filosofia e Prática da Pesquisa. São Paulo: Cengage Learning Nacional.

Azevedo, R. T. T. D. (2015). Crowdfunding no Brasil: percepção do empreendedor na utilização do Crowdfunding. Monografia (Administração). Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2015.

Barbosa, F. F. (2005). O turismo como um fator de desenvolvimento local e/ou regional. Caminhos de Geografia, 6(14), n. 14, 107-114.

Baumgardner, T., Neufeld, C., Huang, P. C.-T., Sondhi, T., Carlos, F., & Talha, M. A. (2017). Crowdfunding as a Fast-Expanding Market for the Creation of Capital and Shared Value. Thunderbird International Business Review, 59, 115-126.

Belleflamme, P., Lambert, T., & Schwienbacher, A. (2010, June). Crowdfunding: An industrial organization perspective. In Prepared for the workshop Digital Business Models: Understanding Strategies’, held in Paris on June, 25-26.

Beni, M. C. (2012). Turismo: planejamento estratégico e capacidade de gestão: Desenvolvimento regional, rede de produção e clusters. Barueri: Editora Manole.

Botelho, A. J. J., Didier, D., & Rodriguez, V. (2006). Impulsionando o Take-off da Inovação no Brasil: O Investidor Anjo. Proc. Enanpad. Salvador, Bahia.

Bruton, G., Khavul, S., Siegel, D., & Wright, M. (2015). New Financial Alternatives in Seeding Entrepreneurship: Microfinance, Crowdfunding, and Peer-to-Peer Innovations. Entrepreneurship Theory and Practice, 39: 9-26.

Bruyat, C., & Julien, P. A. (2001). Defining the field of research in entrepreneurship. Journal of Business Venturing, 16(2), 165-180.

Calvosa, M., & Freitas, J. (2008). ANGEL INVESTOR: Empreendedorismo fomentado através de uma nova modalidade de investidor. Revista Caderno de Administração, ano 1, pp.18.

Cendón, B. V. (2001). Ferramentas de busca na Web. Ciência de Informação, 30(1), 39-49.

Cezarino, L. O., & Campomar, M. C. (2006). Micro e pequenas empresas: características estruturais e gerenciais. Revista Hispeci & Lema, 9, 10-12.

Cheng, M. (2016a). Current sharing economy media discourse in tourism. Annals of Tourism Research, 60, 111-114.

Cheng, M. (2016b). Sharing economy: A review and agenda for future research. International Journal of Hospitality Management, 57, 60-70.

Chiavenato, I. (2004). Empreendedorismo: dando asas ao espírito empreendedor. Barueri: Editora Manole.

Cocate, F. M., & Pernisa Júnior, C. (2012). Estudo sobre crowdfunding: fenômeno virtual em que o apoio de uns se torna a força de muitos. In. Simpósio Nacional ABCiber. Santa Catarina.

Dornelas, J. C. A. (2008). Empreendedorismo. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Gartner, W. (1993). Image Formation Process. Journal of Travel and Tourism Marketing, 2(3), 191-215.

Godfrey, K., & Clarke, J. (2000). The tourism development handbook: a practical approach to planning and marketing. London: Thomson Learning.

Hisrich, R. D., Peters, M. P., & Shepherd, D. A. (2014). Empreendedorismo. 9 ed. Porto Alegre: AMGH Editora.

Ibarra, J. Á. O. (2014). Proyecto Arqueológico del Santuario Rupestre Ibérico de La Nariz (Moratalla, Murcia). La fuerza de las pequeñas respuestas al gran problema o cómo investigar en época de crisis. Tejuelo: Didáctica de la Lengua y la Literatura. Educación, 9, 741-754.

Kang, M., Gao, Y., Wang, T., & Zheng, H. (2016). Understanding the determinants of funders’ investment intentions on crowdfunding platforms: A trust-based perspective. Industrial Management & Data Systems, 116(8), 1800-1819.

Lima, F. Q. (2013). Crowdfunding: renovando o financiamento à inovação. (Bacharelado em Ciências Econômicas). Universidade de Brasília, Brasília.

Machado, L. H. M., & de Mendonça, R. U. (2015). Análise do crowdfunding no empreendedorismo brasileiro – características e tendências. South American Development Society Journal, 1(3), 37.

Mapa do crowdfunding. (2015). Mapa do Crowdfunding. Disponível em: . Acesso em maio 2015.

Mariani, A., Annunziata, A., Aprile, M. C., & Nacchia, F. (2017). Crowdfunding and wine business: Some insights from Fundovino experience. Wine Economics and Policy.

Monteiro, M. D. C. P. (2014). Crowdfunding no Brasil: uma análise sobre as motivações de quem participa. (Mestrado Executivo em Gestão Empresarial) – Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.

Monteiro, S. (2006). O ciberespaço e os mecanismos de busca: novas máquinas semióticas. Ciência da Informação, 35(1), 31-38.

Paraná Turismo, s/d. Disponível em . Acesso em jun. 2016.

Pinho, M., Côrtes, M. R., & Fernandes, A. C. (2002). A fragilidade das empresas de base tecnológica em economias periféricas: uma interpretação baseada na experiência brasileira. Ensaios Fee, 23(1), 135-162.

Pintado, D. H. (2011). Crowdfunding e a cultura da participação: motivações envolvidas na participação em projetos de patrocínio coletivo. Monografia (Comunicação Social). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

Rocha, C. E. L., & Freitas, A. A. F. (2014). Avaliação do Ensino de Empreendedorismo entre Estudantes Universitários por meio do Perfil Empreendedor. Revista de Administração Contemporânea, 18(4), 465-486.

Rossetto, M. H., & Segatto, A. P. (2012). Crowdfunding: uma alternativa de financiamento às tecnologias sociais. In: Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, 1, 2012, São Paulo. Anais... São Paulo: UNINOVE, 2012.

Santos, S. A. (2005). Empreendedorismo de Base Tecnológica: evolução e trajetória. Maringá: Unicorpore.

Santos, R. S., Marinho, F. S., & Mac-Allister, M. (2009). Capital de Risco e Financiamento ao empreendedorismo inovador. Revista Desenbahia, 10, 165-184.

Sebrae/MG. (2004). Fatores condicionantes da mortalidade de empresas no Brasil. Belo Horizonte: SEBRAE/MG. Disponível em: . Acesso em jun. 2016.

Shane, S., & Venkataraman, S. (2000). The Promise of Entrepreneurship as a Field of Research. Academy of Management Review, 25(1), 217-226.

Stevenson, H. H., & Jarillo, J. C. (1990). A Paradigm of Entrepreneurship: Entrepreneurial Management. Strategic Management Journal, 11(Special Issue), 17-27.

Tapscott, D. (2007). Wikinomics: como a colaboração em massa pode mudar o seu negócio. São Paulo: Singular Digital.

Toffler, A. (1980). A terceira onda. Rio de Janeiro: Record.

Tumblr. (2015). O Tumblr é tão fácil de usar que é difícil de explicar. Disponível em: . Acesso em jun. 2015.

Zheng, H., Hung, J.-L., Qi, Z., & Xu, B. (2016). The role of trust management in reward-based crowdfunding. Online Information Review, 40(1), 97-118.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000