O Efeito do Patrocínio à Indústria Esportiva Sobre a Intangibilidade das Empresas Patrocinadoras do Setor de Energia Elétrica do Brasil

Jessica Nunes de Alcântara, Juciara Nunes de Alcântara, Renato Silvério Campos, Gideon Carvalho de Benedicto

Resumo


Este trabalho discute os efeitos do patrocínio à indústria esportiva sobre a intangibilidade das empresas patrocinadoras. A importância da indústria esportiva, a oportunidade de divulgação da marca da patrocinadora, bem como as isenções fiscais previstas na Lei de Responsabilidade Social, vêm impulsionando as firmas a patrocinarem o setor de forma gradual no período mais recente. Porém, poucos são os estudos que discutem os efeitos desse investimento sobre as empresas patrocinadoras. Este trabalho verifica uma faceta desses efeitos, analisando a intangibilidade das empresas brasileiras do setor de energia elétrica de 2007 a 2013. A amostra foi constituída de 21 empresas que têm suas ações negociadas na BM&Fbovespa e que possuem balanços sociais Ibase. A natureza do estudo é quantitativa e os dados foram coletados por meio do banco de dados Economática®, balanços sociais Ibase, relatórios administrativos, relatórios sociais e de sustentabilidade publicados anualmente pelas empresas estudadas. Utilizou-se de regressão múltipla em painel, constatando que o patrocínio ao esporte teve relação positiva com a intangibilidade das empresas patrocinadoras. Os resultados são relevantes, pois contribuem para preencher a lacuna teórica em que a estratégia de patrocínios a indústrias esportivas explica e pode alavancar o grau de intangibilidade das empresas patrocinadoras.


Palavras-chave


Estratégia de patrocínio; Indústria Esportiva; Intangibilidade

Referências


Alcântara, J. N., Pessanha, G. R. G., Carvalho, F. M., Vaz, J., Cunha, M., & Alcântara, J. N. (2013). Impactos dos Investimentos Diretos no Exterior na Intangibilidade das Multinacionais Brasileiras de Capital Aberto do Setor de Veículos e Peças: uma análise empírica no período de 1994 a 2012. XXXVII EnANPAD – Encontro da ANPAD, RJ: Rio de Janeiro.

Alcântara, J. N., Silva, S. S., Carvalho, F. M., & Oliveira, J. S. (2015). O Patrocínio à Indústria Esportiva e à Criativa Como Ferramenta Estratégica Das Empresas Brasileiras de Capital Aberto. VII 3ES – Encontro de Estudos em Estratégia. DF: Brasília.

Amid, R., & Schoemaker, P. (1993). Strategic assets and organizational rents. Strategic Management Journal, 14, 33-46.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Brasil (2009). Conheça a Lei de Incentivo ao Esporte. Recuperado em 14 de dezembro, 2016 de http://www.brasil.gov.br/esporte/2009/10/conheca-a- lei-de-incentivo-ao-esporte.

Brown, N. C., & Kimbrough, M. D. (2011). Intangible investment and the importance of firm-specific factors in the determination of earnings. Review of Accounting Studies, 16(3), 539-573.

Capela, P. R. C. (2006). Os megaeventos esportivos e as políticas públicas de esporte e lazer de resistência. Motrivivência, (27), 101-118.

Carvalho, F. M., Kayo, E. K., & Martin, D. M. L. (2010). Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 871-889.

Caves, R. E. (1984). Economic analysis and the quest for competitive advantage. The American Economic Review, 74(2), 127-132.

Clark, J. M., Cornwell, T. B., & Pruitt, S. W. (2002). Corporate stadium sponsorships, signalling theory, agency conflicts and shareholder wealth. Journal of Advertising Research, 42(6), 16-32.

Cornwell, T. B., & Coote, L. V. (2005). Corporate sponsorship of a cause: the role of identification in purchase intent. Journal of Business Research, 58(3), 268-276.

Crescitelli, E., Mattar, M., & Silva, A. (2005). O efeito das ações de patrocínio sobre o top of mind: um estudo exploratório do mercado brasileiro. Revista Eletrônica de Gestão de Negócios, 1(2), 1-15.

Deitz, G. D., Evans, R. D., & Hansen, J. D. (2013). Sponsorship and shareholder value: A re-examination and extension. Journal of Business Research, 66(9), 1427-1435.

Fagundes, A. F. A., Veiga, R. T., Sampaio, D. D. O., & Sousa, C. V. E. (2012). A publicação acadêmica de marketing esportivo no Brasil. REMark, 11(2), 96-123.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (2013). “Prática esportiva representa 1,9% do PIB Brasileiro”, afirma professor da FGV durante reunião da comissão da cadeia produtiva do desporto da FIESP. Recuperado em 14 de dezembro, 2016 de http://www.fiesp.com.br/noticias/pratica-esportiva-representa-19-do-pib-brasileiro-afirma-professor-da-fgv-durante-reuniao-da-comissao-da-cadeia-produtiva-do-desporto-da-fiesp/php.

Gastaldo, É. (2009). “O país do futebol” mediatizado: mídia e Copa do Mundo no Brasil. Sociologias, 11(22), 352-369.

Hu, X. H., & Zhang, Z. M. (2010, October). An analysis on the symbiosis capability of sports industry in China. In Industrial Engineering and Engineering Management (IE&EM), 2010 IEEE 17Th International Conference (pp. 1482-1486). IEEE.

Kayo, E. K., Kimura, H., Basso, L. F. C., & Krauter, E. (2008). Os fatores determinantes da intangibilidade. Revista de Administração Mackenzie, 7(3), 112-130.

Kayo, E. K., Kimura, H., Martin, D. M. L., & Nakamura, W. T. (2006). Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, 10(3), 73-90.

Kotler, P., & Keller, K. L. (2006). Administração de marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Kupfer, D., & Hasenclever, L. (2002). Economia industrial: Fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de janeiro: Elsevier Editora Ltda.

Leeds, E. M., Leeds, M. A., & Pistolet, I. (2007). A stadium by any other name the value of naming rights. Journal of Sports Economics, 8(6), 581-595.

Lev, B. (2001). Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings.

Liu, G., & Ko, W. (2011). Social alliance and employee voluntary activities: A resource-based perspective. Journal of Business Ethics, v. 104, n. 2, p. 251-268.

Meenaghan, T., McLoughlin, D., & McCormack, A. (2013). New challenges in sponsorship evaluation actors, new media, and the context of praxis. Psychology & Marketing, 30(5), 444-460.

Miao, H. (2013, January). Study on the Relationships between Development of Sports Industry and Economic Environment. In 2013 Fifth International Conference on Measuring Technology and Mechatronics Automation (pp. 1103-1106). IEEE.

Miles, M. P., & Covin, J. G. (2000). Environmental marketing: A source of reputational, competitive, and financial advantage. Journal of Business Ethics, v. 23, n. 3, p. 299-311.

Miyazaki, A. D., & Morgan, A. G. (2001). Assessing the Market Value of Sponsoring: Corporate Olympic Sponsorships. Journal of Advertising Research, 41(1), 9-15.

Padgett, R. C., & Galan, J. I. (2010). The effect of R&D intensity on corporate social responsibility. Journal of Business Ethics, v. 93, n. 3, p. 407-418.

Padoveze, C. L. (1999). O papel da contabilidade gerencial no processo empresarial de criação de valor. Caderno de Estudos, (21), 01-16.

Penman, S. H. (2009). Accounting for intangible assets: There is also an income statement. Abacus, 45(3), 358-371.

Penrose, E. T. (2006). A teoria do crescimento da firma. Campinas: Editora Unicamp.

Perez, M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade & Finanças, 17(40), 7-24.

Peteraf, M. A. (1993). The cornerstones of competitive advantage: a resource‐based view. Strategic Management Journal, 14(3), 179-191.

Reis, A. C. F., & Santos, R. D. C. (1996). Patrocínio e mecenato: ferramentas de enorme potencial para as empresas. Revista de Administração de Empresas, 36(2), 17-25.

Rocha, A. L. P., & Campos, S. F. (2010). Uma avaliação das características mais relevantes em projetos de patrocínio de eventos e sua relação com os objetivos almejados. Revista Eletrônica de Administração, 16(1), 194-223.

Sánchez, J. L. F., & Sotorrío, L. L. (2007). The creation of value through corporate reputation. Journal of Business Ethics, v. 76, n. 3, p. 335-346.

Silva, D. (2003). Tópicos avançados de estatística na pesquisa em administração de empresas: limites e seleção de métodos e técnicas para análise. Recuperado em 14 de dezembro, 2016 de http://www.ufrrj.br/institutos/it/deng/varella/Downloads/multivariada%20aplicada%20as%20ciencias%20agrarias/literatura/Estat%EDstica%20na%20Pesquisa%20em%20Administra%E7%E3o%20de%20Empresa s.doc.

Ventura, A. F. P., & Ventura, J. L. P. (2014) Desvendando o “guerreiro das quadras”: um diagnóstico preliminar do modelo de marketing esportivo na equipe Sada Cruzeiro. In: XIX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste , Vila Velha, Espírito Santo, 1-15.

Vicari, C. C., & Ribeiro, I. (2004) A Importância da Gestão de Marcas para as Empresas. III Seminário do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Cascavel, Paraná, 1-7.

Wernerfelt, B. (1984). A resource‐based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.

Zem, C. A., & Machado, J. R. (2009). O marketing de patrocínio esportivo no contexto das instituições educacionais. Revista de Administração da Unimep-Unimep Business Journal, 2(2).


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000