Mudança Organizacional no Futebol: Uma Análise Comparativa entre Dois Clubes da Cidade de Pelotas/RS

Régis Michels Nazi, Mauro Lilles Pedrotti Drews

Resumo


Neste artigo foi averiguado o processo de mudança organizacional em dois clubes de futebol da cidade de Pelotas: Grêmio Esportivo Brasil e Esporte Clube Pelotas. A crescente profissionalização do futebol ao redor do globo, puxada por leis e stakeholders, reconfigurou a maneira de encarar o esporte, que, de uma atividade de lazer, passou a ser visto como negócio. As agremiações esportivas adotaram técnicas de gestão empresarial de acordo com o demandado. Tendo em vista a transformação do campo esportivo e a consolidação da gestão esportiva como área de conhecimento, buscou-se averiguar e comparar como os clubes aderiram às mudanças, os resultados esportivos obtidos pelos mesmos e os fatores que fizeram diferença na performance de Brasil e Pelotas.


Palavras-chave


Futebol; Gestão esportiva; Mudança organizacional

Referências


Aidar, A. C. K., Oliveira, J. J., & Leoncini M. P. (Org). (2002). A nova gestão do futebol. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV.

Alvito, M. (2006). A parte que te cabe nesse latifúndio: o futebol brasileiro e a globalização. Análise Social. Lisboa, v. XLI, 2o trimestre de 2006.

Amorim, J. G. B., & Almeida, V. M. C. (2015). The effect of simultaneous sponsorship of rival football teams. Brazilian Administration Review, v. 12, p. 63-87.

Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2007). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Athayde, P. F. A., Carvalho, M., Matias, W. B., Carneiro, F. H. S., & Santos, S. A. (2016). Panorama sobre a constitucionalização do direito ao esporte no Brasil. Motrivivência (Florianópolis), v. 28, p. 82-98.

Bourdieu, P. (1983). Questões de sociologia. 1. ed. Rio de Janeiro: Marco Zero.

Brunoro, J. C., & Afif, A. (1997). Futebol 100% Profissional. 1. ed. São Paulo: Gente.

Caballero, N., & Carvalho, S. (1998). A co-gestão esportiva no futebol: o caso Juventude-Parmalat. 1. ed. Passo Fundo: Ediupf.

Cançado, V. L., & Santos, T. M. C. (2014). Reação à Mudança Organizacional: A Implantação do Lean Thinking na Empresa Beta. Revista Gestão & Tecnologia, v. 14, p. 100-125.

Carvalho, C. A., & Andrade, J. A. (2006). A inevitável conversação entre estudos organizacionais e administração pública. In: XXX Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 2006, Salvador. Anais do XXX ENANPAD. Porto Alegre: ANPAD, v. 1, p. 1-15.

Carvalho, C. A., Gonçalves, J. C. S., & Alcântara, B. C. S. (2003). A transformação do futebol: da diversão à hegemonia do mercado. In: XXVII Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 2003, Atibaia (São Paulo). Anais do XXVII ENANPAD. Porto Alegre: Pallotti, v. 1, p. 1-13.

Davies, F., Veloutsou, C., & Costa, A. (2006). Investigating the influence of a joint sponsorship of rival teams on supporters attitudes and brand preferences. Journal of Marketing Communications, 12(1), 31-48.

Elias, N., & Dunning, E. (1995). Deporte y Ócio en el Proceso de la Civilizacion. México: Fondo de Cultura Económica.

Espartel, L. B., Müller Neto, H. F., & Pompiani, A. E. M. (2009). Amar é Ser Fiel a quem nos Trai?: A Relação do Torcedor com seu Time de Futebol. Organizações & Sociedade (Impresso), v. 16, p. 59-80.

Etzioni, A. (1976). Organizações Modernas. 5. ed. São Paulo: Pioneira.

Galeano, E. (2004). Futebol ao sol e sombra. 3. ed. Porto Alegre: L&PM.

Gaspar, M. A., Morais, D. M. G., Vallada Junior, A. C., & Debia, C. A. (2014). Marketing Esportivo: Um Estudo das Ações Praticadas por Grandes Clubes do Futebol do Brasil. Podium: Sport, Leisure and Tourism Review, v. 3, p. 12-28.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Giulianotti, R. (2002). Sociologia do futebol: Dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria.

Gonçalves, J. C. S., & Carvalho, C. A. (2006). A mercantilização do futebol brasileiro: instrumentos, avanços e resistências. Cadernos EBAPE.BR (FGV), Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 1-27.

Graham, A. (2010). Como escrever e usar estudos de caso para ensino e aprendizagem no setor público. Brasília: ENAP.

Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre: Penso.

Haag, F. R. (2013). Futebol e o Giro Neoliberal: Apontamentos e o Caso Brasileiro. Podium: Sport, Leisure and Tourism Review, v. 2, p. 57-80.

Harvey, D. (2007). A condição pós-moderna: Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola.

Kuper, S., & Szymanski, S. (2010). Soccernomics: por que a Inglaterra perde, a Alemanha e o Brasil ganham, e os Estados Unidos, o Japão, a Austrália, a Turquia – e até mesmo o Iraque – podem se tornar os reis do esporte mais popular do mundo. 1. ed. Rio de Janeiro: Tinta Negra.

Lois, N. C. (2014). A cogestão como administradora do patrocínio esportivo no Brasil: uma análise dos casos Palmeiras-Parmalat e Fluminense Unimed-Rio. Podium: Sport, Leisure and Tourism Review, v. 3, p. 25-35.

Luz, D. C., Pugliese, G., Lise, R. S., & Cavalcanti, E. A. (2016). Do amadorismo ao futebol espetáculo: uma reflexão acerca dos clubes de futebol brasileiros. The Journal of the Latin American Socio-Cultural Studies of Sport (ALESDE), v. 5, p. 34-45.

Madrigal, R. (2000). The influence of social alliances with sports teams on intentions to purchase corporate sponsors’ products. Journal of Advertising, v. 29, n. 4, p. 13-24.

Manzenreiter, W. (2007). The business of sports and the manufacturing of global social inequality. Esporte e Sociedade. Niterói, 2(6), 1-22.

Marques, D. S. P., & Costa, A. L. (2016). Administração de clubes de futebol profissional: proposta de um modelo específico de governança para o setor. Organizações & Sociedade (Online), v. 23, p. 378-405.

Marques, D. S. P., & Costa, A. L. (2009). Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração (FEA-USP), v. 44, p. 118-130.

Martins, G. A. (2008). Estudo de caso: uma reflexão sobre a aplicabilidade em pesquisas no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 2, n. 2, jan./abr., p. 9-18.

Michels, R. (1978). Os partidos politicos. São Paulo: Senzala.

Motta, P. R. (2000). Transformação organizacional: a teoria e a prática de inovar. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Nakamura, W. T. (2015). Reflections on the management of soccer clubs in Brazil. Journal of Financial Innovation, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 40-52.

Nazi, R. M. (2015). Um panorama organizacional e socioeconômico dos participantes do Campeonato Gaúcho da Primeira Divisão (1961-2015). Monografia de Graduação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Parsons, T. (1960). Structure and Process in Modern Societies. Glencoe: The Free Press of Glencoe.

Pereira, C. A., Rezende, A. J., Corrar, L. J., & Lima, E. M. (2003). A Gestão Estratégica de Clubes de Futebol: Uma Análise da Performance Esportiva Versus Performance Operacional. In: Encontro de Pesquisa em Administração e Contabilidade, 2003, São Paulo. III EPAC, p. 1-15.

Pessin, R. L., & Diehl, C. A. (2016). Remuneração por desempenho no futebol brasileiro sob a perspectiva da cultura nacional: proposições para estudo. In: XXIII Congresso Brasileiro de Custos, 2016, Porto de Galinhas. XXIII Congresso Brasileiro de Custos, p. 1-16.

Pitts, B. G., & Stotlar, D. K. (2002). Fundamentos de marketing esportivo. 1. ed. São Paulo: Phorte.

Proni, M. W. (1998). Esporte-espetáculo e futebol-empresa. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Rigo, L. C.; Knuth, A. G.; Jahnecka, L.; & Tavares, R. P. (2006). Estatuto de Defesa do Torcedor: um diálogo com o futebol pelotense. Movimento, v. 12, n. 2, p. 223-239.

Rodrigues, M. S., & Silva, R. F. C (2009). A estrutura empresarial nos clubes de futebol. Organizações & Sociedade (Impresso), v. 16, p. 17-37.

Silveira, M. P., & Cardoso, M. V. (2014). A Importância da Adoção do Sócio Torcedor como Estratégia de Inovação para Aumentar as Receitas dos Clubes de Futebol no Brasil. Podium: Sport, Leisure and Tourism Review, v. 3, p. 12-24.

Solé, A. (2004). ¿Qué es una empresa? Construcción de un idealtipo transdisciplinario. Working Paper. Paris.

Souza, F. A. P., & Angelo, C. F. (2005). O fim do passe e seu impacto sobre o desequilíbrio competitivo entre as equipes de futebol. Revista de Administração (FEA-USP), São Paulo, v. 40, n. 3, p. 280-288.

Szymanski, S., & Kuypers, T. (1999). Winners and Losers: the Business Strategy of Football. London: Penguin.

Tejada, C. A. O., & Baggio, G. (2013). O desempenho econômico de Pelotas desde 1939: uma análise comparativa com os principais municípios do interior do RS. Teoria e Evidência Econômica (UPF), v. 19, p. 118-149.

Tranter, N. (1998). Sport, economy and society in Britain, 1750-1914. Cambridge: Cambridge University Press.

Weber, M. (2004). Economia e Sociedade. São Paulo: Editora UnB. (Volume II).

Wood Jr., T. (2009). Mudança organizacional: aprofundando temas atuais em administração de empresas. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Yin, R.K. (2016). Pesquisa qualitativa: do início ao fim. 1. ed. Porto Alegre: Penso.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000