Um Estudo Comparado sobre a Sazonalidade em Academias de Ginástica de Florianópolis e Brusque

Mario Henrique Agustinho Moreira, Julio da Silva Dias, Carlos Roberto De Rolt, Mario Cesar Barreto Moraes

Resumo


O impacto do fenômeno da sazonalidade impactando a lucratividade das academias de ginástica ocupa um ponto que requer atenção especial por parte dos administradores destes estabelecimentos. Esta pesquisa busca comparar o estudo realizado por Cárdenas, Amboni e Dias (Cárdenas, Amboni, & Dias, 2014) ao analisar a sazonalidade em uma academia de ginástica de Florianópolis, Santa Catarina, com informações referentes a uma academia de ginástica na cidade de Brusque, também de Santa Catarina. Pretende-se desta forma comparar a influência das diferenças climáticas, econômicas, culturais e demográficas das duas localidades no comportamento dos clientes no que diz respeito a sazonalidade. O estudo coletou informações referentes ao número de alunos matriculados mensalmente em uma academia de médio porte na cidade Brusque, num período entre setembro de 2008 e julho de 2016 e, em posse dos dados, foi realizada a comparação com o comportamento observado no artigo base, relacionado à organização localizada em Florianópolis. A análise realizada permitiu observar que, em detrimento das diferentes características das duas localidades, o padrão de sazonalidade dos clientes foi bastante similar, enfatizando o entendimento de que atividades sociais de fim de ano, recessos escolares e empresariais, fatores climáticos e calendário exerçam grande influência sobre o comportamento dos usuários, possibilitando a utilização destes dados como ferramenta de apoio para os gestores de estabelecimentos deste segmento.

 


Palavras-chave


Sazonalidade; Academias de Ginástica; Gestão de Academias; Gestão do Esporte.

Referências


ARSEGO, N. R. Motivação à Prática de Atividades Físicas em Academias de Ginástica: Uma Revisão de Literatura. 2012. 61 f. Monografia (Graduação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Escola de Educação Física, Porto Alegre, 2012. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/70330/000875928.pdf?sequence=1. Acesso em: 10 de agosto de 2016.

ALMEIDA, Cristóvão D. de; GUINDANI, Joel F.; SÁ-SILVA, Jackson R. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. São Leopoldo, Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, 2009. 15 p.

BELLA, Marcelo. Gestão de academias no Brasil. Jornal da Musculação e Fitness, n. 83. São Paulo: CNB Edições e Publicações, 2011. 102 p.

BERTEVELLO, Gilberto. Academias de ginástica e condicionamento físico – Desenvolvimento. In: DA COSTA, Lamartine (Org.). Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: CONFEF, 2006. Disponível em: http://cev.org.br/arquivo/biblioteca/4013374.pdf. Acesso em: 08 de agosto de 2016.

CAPINUSSÚ, José Maurício. Academias de ginástica e condicionamento físico: origens. In: DA COSTA, Lamartine (Org.). Atlas do esporte no Brasil. Rio de Janeiro: CONFEF, 2006. Disponível em: http://www.atlasesportebrasil.org.br/textos/145.pdf. Acesso em: 04 de agosto de 2016.

CÁRDENAS, Alfredo Ribeiro; AMBONI, Nério; DIAS, Júlio da Silva. Análise da Sazonalidade em uma Academia de Ginástica de Florianópolis, Santa Catarina. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review Vol. 3, N. 1, p. 29-37, Janeiro/Junho 2014.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. 411 p.

CIRIBELI, João Paulo et. al. A SAZONALIDADE DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM: um ensaio teórico empírico na empresa Laf Terraplenagem Ltda. X Congresso Online – Administração. CONVIBRA, 2013: Disponível em: http://www.convibra.org/upload/paper/2013/36/2013_36_8022.pdf. Acesso em: 09 de novembro de 2016.

COBRA, Marcos. Administração de Marketing no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. 428 p.

CONFEF – Conselho Federal de Educação Física. Brasil é o segundo país do mundo em número de academias de ginástica. Disponível em: http://www.confef.org.br/extra/clipping/view.asp?id=4. Acesso em: 29 de agosto de 2016.

FURTADO, Roberto P. Do fitness ao wellness: os três estágios de desenvolvimento das academias de ginástica. PENSAR A PRÁTICA 12/1: 1-11, jan./abr. 2009. Disponível em: file:///C:/Users/07142094907/Downloads/BoletimEF.org_Do-fitness-ao-wellnes-desenvolvimento-das-academias-de-ginastica.pdf. Acesso em: 26/02/2016

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. 175 p.

Hylleberg, S. Modelling Seasonality, Oxford University Press, 1992.

IBGE. Brasil em síntese. Disponível em: http://brasilemsintese.ibge.gov.br/servicos.html. Acesso em: 12/04/2016

International Health, Racquet & Sportsclub Association. (2017). The 2017 IHRSA Global Report. Boston, MA: IHRSA.

LIMA, Juvêncio Braga de; ANDRADE, Daniela Meirelles. Elementos situacionais e práticas de gestão em academias de ginástica. In: EGEPE – ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS. 3., 2003, Brasília. Anais... Brasília: UEM/UEL/UnB, 2003, p. 915-932.

Motta, E. M. & Moraes, M. C. B. (2017). Proposta de atributos de serviços e de indicadores de desempenho para academias fitness. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 6(1), 124-145.

NEVES, José Luis. Pesquisa Qualitativa – Características, Usos e Possibilidades. Caderno de Pesquisas e Administração, São Paulo, Vol. 1, n. 3, 2º Semestre, 1996.

NOBRE, Leandro. (Re)projetando a academia de ginástica. Guarulhos, SP: Phorte, 1999.

OGEDA, Alessandra. Santa Catarina só perde para São Paulo em número de academia de ginásticas. Disponível em: http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2011/07/santa-catarina-so-perde-para-sao-paulo-em-numero-de-academias-de-ginastica-3379110.html. Acesso em: 30/11/2016

PORTER, Michael E. Estratégia competitiva. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. 7ª Reimpressão. 409 p.

RODRIGUES, William Costa. Metodologia Científica. Paracambi, FAETEC/IST, 2007.

ROJAS, P. N. C. Aderência aos Programas de Exercícios Físicos em Academias de Ginástica na Cidade de Curitiba – PR. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

SABA, Fabio. Aderência à prática do exercício físico em academias. 1. ed. São Paulo: Manole, 2001. 120 p.

SANTOS, Célio Corrêa et. al. A Gestão Contábil nas Atividades do Agronegócio e Agropecuário como Ferramenta Gerencial para Tomada de Decisões nos Períodos de Sazonalidade. XLV Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Londrina, 22 a 25 de julho de 2007. 15 p. Disponível em: http://ageconsearch.umn.edu/bitstream/149605/2/34.pdf. Acesso em: 09 de novembro de 2016.

SANTOS, Luciano Costa; GOHR, Cláudia Fabiana; VERVAKIS, Gregório. Um método para identificação e análise das competências e recursos estratégicos das operações de serviços. Gestão e Produção, São Carlos, v. 18, n. 4, p. 791-808, 2011.

SOUZA, Marinella. Começa o movimento sazonal nas academias de ginástica. Juiz de Fora, 2008. Disponível em: http://www.acessa.com/saude/arquivo/noticias/2008/09/16-academias. Acesso em: 30/11/2016.

SOUZA, Nali de Jesus de. Desenvolvimento econômico. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999. 415 p.

VICECONTI, Paulo. E. V.; NEVES, Silvério das. Introdução à economia. 8. ed. São Paulo: Frase Editora, 2007. 622 p.

TAVARES, M. C. Gestão estratégica. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2005. 440 p.

XIA, Tom. To gym, or not to gym. 2013. Disponível em: http://economicstudents.com/2013/08/to-gym-or-not-to-gym. Acesso em: 30/11/2016


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.