Clima Docente na Percepção dos Discentes do Curso de Educação Física da Universidade Pedagógica: Um Aspecto Chave na Melhoria da Qualidade de Formação Profissional

Clemente Afonso Matsinhe, Pedro Antonio Pessula

Resumo


A realização do presente estudo, visa avaliar o Clima Docente na percepção dos discentes do curso de Licenciatura em Ensino de Faculdade de Educação Física e Desporto da Universidade Pedagógica, considerando que este constitui um dos aspectos chave para melhoria da qualidade de formação profissional. A pesquisa, cinge se no enfoque interpretativo dirigido a compreender o marco de referência e a percepção da realidade em estudo. Foram utilizados os métodos teóricos, empíricos e matemáticos-estatísticos. O estudo envolveu 217 estudantes do primeiro a quarto ano do curso Educação Física nas delegações de Maxixe, Quelimane, Nampula e Maputo. Para a recolha de dados, recorreu-se ao questionário do Clima Docente Educativo Modificado. A metodização, a análise e interpretação dos dados corroborados indicam em geral que a percepção dos discentes do curso de Educação Física na Universidade Pedagógica em relação ao Clima Docente é regular.

Palavras-chave


Avaliação; Clima docente educativo; Formação profissional e Discentes

Referências


Almeida, L. S., Lobo, F., & Cruz, J. Z. (2009). Contexto académico no Ensino Superior: construção e validação de uma" Escala de Clima Académico".

Carita, A. (1999). O conflito na sala de aula: Representações mobilizadas por professores. Análise psicológica, 17(1), 79-95.

Carlos Caran, G. L. S., Eugenia Negreira, Mariangeles Pusineri. (2016). Reflexión Pedagógica. Ensayos de estudiantes de la Facultad de Diseño y Comunicación. Escritos en la Facultad, 124, 19-39.

Chuieire, M. S. F. (2008). Concepções sobre a avaliação escolar. Estudos em Avaliação Educacional, 19(39), 49-64.

Da Cunha, M. I. (2008). Inovações pedagógicas: o desafio da reconfiguração de saberes na docência universitária: Pró-Reitoria de Graduação da USP.

da Silva Amado, J. (2000). Interacção pedagógica e indisciplina na aula.

Duk Homad, C., & Narvarte Eguiluz, L. (2017). Evaluar la calidad de la respuesta de la escuela a la diversidad de necesidades educativas de los estudiantes Proyecto FONDEF D04I1313.

Estrela, M. T. (1992). Relação pedagógica, disciplina e indisciplina na aula.

Fernandes, E. V. (2008). O aluno e o professor na escola moderna: Clube de Autores.

Fernandes, L. F. d. P. (2008). Clima de sala de aula e relação educativa: as representações dos alunos de 3º ciclo.

Gallego, M. L. V. (2006). Evaluación del aprendizaje para promover el desarrollo de competencias. Educatio siglo XXI, 24, 57-76.

Garcia, J. (2009). Avaliação e aprendizagem na educação superior. Estudos em Avaliação Educacional, 20(43), 201-213.

Jaime, P. C., Figueiredo, I. C. R., Moura, E. C. d., & Malta, D. C. (2009). Fatores associados ao consumo de frutas e hortaliças no Brasil, 2006. Revista de Saúde Pública, 43, 57-64.

Langa, P., Cumaio, G., & Rafael, D. P. (2014). Cinquenta anos de Legislação e Políticas Públicas do Ensino Superior em Moçambique: Cape Town: African Minds.

Lima Soriano de Alencar, E. M., & de Souza Fleith, D. (2010). Criatividade na educação superior: fatores inibidores. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 15(2).

López, A., & Ilisástigui, M. (2012). Estudio del clima docente educativo. Un aspecto clave en la mejora de la calidad de la formación profesional. Revista Iberoamericana de Educación, 58, 4-15.

Machado, J., & Alves, M. (2015). Melhorar a Escola–Sucesso Escolar, Disciplina, Motivação, Direção de Escolas e Políticas Educativas.

Moos, R. H. (1979). Evaluating educational environments: Jossey-Bass Inc Pub.

Olea, M. J. A., Hernández, I. C., de Gauna Bahillo, P. R., Loroño, M. A., Ortega, A. R., Arroyo, G. C., & Fernández, I. F. (2002). La investigación educativa comoherramienta de formación del profesorado: Reflexión y experiencias de investigación educativa (Vol. 167): Grao.

Orts, J. V. (2011). Cómo dar clase a los que no quieren (Vol. 280): Graó.

Quadros, A. L. d., Melo Lopes, C. d., Brandão da Silva, F. A., Miari Correa, J. M., Pio, J. M., Oliveira Torres, N. d., . . . Nogueira, R. K. (2010). A percepção de professores e estudantes sobre a sala de aula de ensino superior: expectativas e construção de relações no curso de química da UFMG. Ciência & Educação (Bauru), 16(1).

Rodrigues Lopez, A., & Lisástigui, M. (2012). Estudio del clima docente Educativo: Un aspecto clave en la mejora de la calidad de la formación profesional. Revista iberoamericana de Educación, 2-7.

Román, M. (2011). Autoevaluación: estrategia y componente esencial para el cambio y la mejora escolar. Revista iberoamericana de Educación, 55, 107-136.

Tejeda Navarrete, J. (2009). Clima de aula: enfoque y concepción. Conexión Educativa: http://conexedusa. blogspot. com/2009/07/clima-de-aula-enfoque-y-concepcion. html [Consulta: Marzo 2011].


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.