Melhor Idade? Os Usos do Tempo Livre e a Autopercepção da Pessoa Idosa

Ana Flávia Braun Vieira, Miguel Archanjo de Freitas Junior

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar a relação entre a autopercepção da pessoa idosa e os usos do tempo livre, a partir da perspectiva teórica de Elias e Dunning. Para tanto, a história oral temática foi adotada como metodologia para a produção de fontes, realizada com 06 idosos moradores do Condomínio Residencial Lagoa Dourada, localizado no município de Ponta Grossa – PR. Como técnica para a análise de dados, foi utilizada a análise de conteúdo, que permitiu identificar os núcleos de sentido emergidos nas entrevistas orais. Ao estabelecer relações entre as categorias emergentes e as atividades de tempo livre por eles desenvolvidas foi possível compreender que os idosos que possuem uma avaliação positiva de seu processo de envelhecimento empregam cerca de 50% do tempo em rotinas de tempo livre, com destaque para os cuidados domésticos e os momentos de descanso, dedicando o tempo livre restante às atividades intermediárias de tempo que envolvem formação, autossatisfação e autodesenvolvimento e atividades de lazer. A análise permitiu considerar que a percepção de que estariam experienciando a melhor idade de suas vidas está relacionada às atividades desenvolvidas no tempo livre, que contribuem para a atualização de seus saberes, resultando em movimentos de resistência à estigmatização da pessoa idosa.

 


Palavras-chave


Tempo livre; Lazer; Autopercepção; Pessoa idosa; Terceira Idade

Referências


Alberti, V. (2010). Fontes orais – História dentro da história. In: C. PINSKY (org.), Fontes Históricas. São Paulo, Contexto, 155-202.

Alberti, V. (2012). Manual de História Oral. Rio de Janeiro, Editora FGV.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Brasil. (1988). Constituição.

______. (1994). Lei nº 8.842, de 04 de janeiro de 1994.

______. (2003). Lei nº 10.741, de 01 de outubro de 2003.

Crespo, L. V. (2011). Os idosos e seus tempos de lazer em família: uma aproximação pedagógico-social. Estud. Interdiscipl. Envelhec., 16(edição especial), 341-353. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevEnvelhecer/article/view/17913/16317. Acesso em: 21 jun. 2018.

Dewes, J. O. (2013). Amostragem em Bola de Neve e Respondent-Driven Sampling: uma descrição dos métodos. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/93246. Acesso em: 05 ago. 2017.

Elias, N. (1993). O processo civilizador: formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Zahar.

______.; Dunning, E. (1985). A busca da excitação. Lisboa: Difel.

______.; Scotson, J.L. (2000) Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Fonseca, T.M.G. (2001). Envelhecer: evolução ou involução? In: Castro, O.P. Envelhecer: um encontro inesperado – realidade e perspectivas na trajetória do envelhecente. Sapucaia do Sul: Notadez.

Freire, P. (2011). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (43ª ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Halbwachs, M. (2003). A memória coletiva. São Paulo: Centauro.

Koerich et al. (2010). Memória de idosos aposentados de um hospital psiquiátrico catarinense (1951-1971). Esc. Anna Nery[online], 14(4), 749-756. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v14n4/v14n4a14.pdf. Acesso em: 21 jun. 2018.

Lopes, M. E. P. S. (2012). A velhice no século XXI: a vida feliz e ainda ativa na melhor idade. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 43(1), 27-30. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/16197/pdf. Acesso em: 21 jun. 2018.

Marcellino, N. C. (2012). Estudos do lazer: uma introdução. Campinas, SP: Autores Associados.

Meireles, S. L.; Fonrtes, R. C. (2016). Os benefícios da internet na vida dos idosos no município de Luziana – Goiás. Rev. Cient. Sena Aires, 5(2), 117-123. Disponível em: http://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/download/263/136. Acesso em: 21 jun. 2018.

Menezes, K. M. G., Frota, M. H. P. (2012). O lazer enquanto expressão de vitalidade na velhice: a experiência de um centro de convivência de idosos em Fortaleza – CE. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, 11(32), 486-501. Disponível em: http://www.cchla.ufpb.br/rbse/KellyArt.pdf. Acesso em: 21 jun. 2018.

Moura, G.A., Souza, L. K. (2012). Autoimagem, socialização, tempo livre e lazer: quatro desafios à velhice. Textos & Contextos, 11(1), 172-183. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/fass/ojs/index.php/fass/article/view/9492/8050. Acesso em: 21 jun. 2018.

______. (2013). Práticas de lazer de idosos institucionalizados. Movimento, 19(4), 69-93. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/36131/27445. Acesso em: 21 jun. 2018.

Oliveira et al. (2015). Atividades Avançadas de Vida Diária (AAVD) e desempenho cognitivo em idosos. Psico-USF, 20(1), 109-120. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusf/v20n1/1413-8271-pusf-20-01-00109.pdf. Acesso em: 21 jun. 2018.

Penna, F. B.; Santo, F. H. E. (2006). O movimento das emoções na vida dos idosos: um estudo com um grupo da terceira idade. Revista Eletrônica de Enfermagem, 08(1), 17-24. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/948/1162. Acesso em: 21 jun. 2018.

Pinto, M. R., Pereira, D. R. M. (2014). Uma teoria fundamentada das experiências de consumo de lazer por consumidores da terceira idade. Revista da Administração da UNIMEP, 12(3), 152-183. Disponível em: http://www.raunimep.com.br/ojs/index.php/regen/article/view/760/592. Acesso em: 21 jun. 2018.

Pollak, Michael. (1992). Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, 5(10), 200-212. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1941/1080. Acesso em: 21 jun. 2018.

______. Memória, Esquecimento, Silêncio. (1989). Estudos Históricos, 02(3), 03-15. Disponível em: http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf. Acesso em: 21 jun. 2018.

Rocha et al. (2016). Lazer e qualidade de vida na percepção de pessoas acima de 60 anos. Revista Mosaico, 07(2), 04-09. Disponível em: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RM/article/view/303/pdf. Acesso em: 21 jun. 2018.

Rodrigues, L. S.; Soares, G. A. (2006). Velho, idoso e terceira idade na sociedade contemporânea. Revista Ágora, 04, 1-29. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/agora/article/view/1901/1413. Acesso em: 21 jun. 2018.

Rousso, H. (2017). A memória não é mais o que era. In: Amado, J.; Ferreira, M.M. Usos & Abusos da história oral. 8ª reimpressão. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Santos at al. (2012). Autopercepção dos idosos sobre satisfação com a vida relacionada a interações sociais e lazer. Motricidade, 8(52), 232-239. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2730/273023568029.pdf. Acesso em: 21 jun. 2018.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000