Vantagens Organizacionais da Gestão da Informação e do Conhecimento em um Sistema Público: O Caso Rede CEDES/ME

Giselle Helena Tavares, Gisele Maria Schwartz, Juliana de Paula Figueiredo, Marcelo Fadori Soares Palhares

Resumo


Este estudo, de natureza qualitativa, tem por objetivoanalisar as vantagens organizacionais da gestão da informação e do conhecimento no sistema da Rede CEDES, do Ministério do Esporte. O estudo foi desenvolvido por meio de pesquisas bibliográfica e documental, realizada por meio da consulta ao site do Ministério do Esporte, buscando informações relativas às ações realizadas pela Rede CEDES e consulta no acervo do Ministério do Esporte, diretamente in loco, nos relatórios dos Núcleos e Grupos pertencentes à Rede. A partir dos dados apresentados, foi possível evidenciar que as ações da Rede CEDES ainda não contemplam todas as necessidades, no que se refere à gestão das informações existentes. Os dados evidenciam, assim, a necessidade de se repensar sobre o papel da gestão do conhecimento nas organizações públicas, sendo que este aspecto é muito relevante no desempenho organizacional. Portanto, é de suma importância o aprimoramento desta ferramenta de gestão, para que as organizações públicas possam cumprir sua função na sociedade, democratizando o conhecimento e inserindo adequadamente o país no contexto mundial.

DOI: 10.5585/podium.v1i2.26


Palavras-chave


Gestão; Informação;Políticas Públicas.

Referências


Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. Ed. rev. e atual. Lisboa: Edições70.

Bonalume, C. R. (2008). A Rede CEDES como uma rede de política pública. In L. M. S. M. Pinto, D. A. M. Silva, R. P. Rodrigues, C. R. Bonalume, L. R. M. Araújo (Org.). Brincar, jogar, viver: lazer e intersetorialidade com o PELC (pp. 68-91). (1ª ed.) Goiás: Gráfica e Editora América.

Brasil. (2005). Ministério do Esporte: Conselho Nacional do Esporte. Resolução nº 5, de 14 de junho de 2005. Política nacional do esporte, Brasília, DF. Acesso em:

Brasil. (2011). Ministério do Esporte: Rede CEDES. Acesso em: http://portal.esporte.gov.br/sndel/esporte_lazer/cedes/apresentacao.jsp.

Brasil. (2011). Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação: Lei do Acesso à Informação.(Lei 12.527, de 18/11/2011. Acesso em:

Busquets, J. M. (2006). El gobierno electrónico enAmerica Latina: estrategias y resultados. In F. Galindo, (Coord.). Gobierno, derechos y tecnología: lasactividades de los poderes públicos (pp. 159-171). Thomson Civitas: Universidad de Zaragoza.

Drucker, P. (1999). Management Challenges for the 21 Century. New York: Harper Business.

Davenport, T., &Prusak, L. Conhecimentoempresarial.Rio de Janeiro: Campus, 1998.

Ferrari, R. D. (2012). Gestão da informação e conhecimento em esporte e lazer: o caso do Repositório Institucional da Rede CEDES (RIRC). (Dissertação de Mestrado em Educação Física, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis).

Gil, A. C. (2002). Como classificar as pesquisas? In A. C. Gil (Org.) Como elaborar projetos de pesquisa (pp. 41-57). (4ª ed.) São Paulo: Loyola.

Jenkins, H. (2011). Confronting the Challenges of Participatory Culture: Media Education for the 21st Century.The MacArthur Fundation.Acessoem: http://digitallearning.macfound.org/atf/cf/%7B7E45C7E0-A3E0-4B89-AC9C E807E1B0AE4E%7D/JENKINS_WHITE_PAPER.PDF.

Liebowitz, J., &Suen, C.Y. (2000).Developing knowledge management metrics for measuring intellectual capital.JournalofIntellectual Capital, 1(1), 54-67.

Nonaka, I.,&Takeuchi, H. (1997). Criação do conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus.

Pereira, F. C. M. (2005). O processo de conversão do conhecimento em uma escola de atendimento especializado. Revista eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 20, 38-52.

Pinho, J. A. G. (2008). Investigando portais de governo eletrônico de estados no Brasil: muita tecnologia, pouca democracia. Revista de Administração Pública, 43(3), 471-493. Acesso em: .

Richardson, R. J. (2007). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3ª ed.). São Paulo: Atlas.

Syed-Ikhsan, S. O. S., & Rowland, F. Knowledge management in a public organization: a study on the relationship between organizational elements and the performance of knowledge transfer, Journal of Knowledge Management, 8(2), 95-111. Acesso em: .

Valentim, M. L. P. (2007). (Org.). Informação, conhecimento e inteligência organizacional. (2ª. ed.) Marília: Editora FUNDEPE.

Wiig, K. M. (1997). Knowledge Management: Where Did It Come from and Where Will It Go? Journal of Expert Systems with Applications, 13(1), 1-14. Acessoem: .

Williamson, A., Kennedy, D. M., Mcnaught, C., &DeSouza, R. (2006). Issues of intellectual capital and intellectual property in educational software development teams. Australian Journal of Educational Technology, 19(3), 339-355.

Zhang, T. (2010).Application of Knowledge Management in Public Administration International.Proceedings of Conference on Educational and Network Technology. (pp. 572-575). Qinhuangdao: Institute of Electrical and Electronics Engineers.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.