Mídias Sociais: Um Olhar do Educador Físico Sobre o Uso Desse Instrumento na Prática de Exercício Físico Orientado por Pessoas Sem Qualificação na Área

Carlos Cristiano Guzzo Junior, Jessiane Lindoso Mendes, Ludmila da Costa Paes

Resumo


A atividade física tem sido um assunto muito difundido pelos meios de comunicação, apresentada diariamente como uma prática que proporciona qualidade de vida e resultados estéticos. Objetivamos com a presente pesquisa, de abordagem qualitativa e enfoque fenomenológico, explanar a opinião crítica-reflexiva de dez educadores físicos, que atuam em academias de ginástica e musculação, sobre o uso das mídias sociais por parte de pessoas não graduadas na área, discutir os fatores que influenciam o praticante de exercício físico a seguir orientações de blogueiros[1] bem como mostrar os perigos de se buscar informações de fontes não confiáveis para a prática. Na análise permitiu verificar que a comunicação feita pelas mídias sociais de fato influenciam bastante os seus usuários e conclui-se então que é notório no discurso de todos os entrevistados que cabe aos profissionais de Educação Física agir com discernimento quanto às práticas corporais ao invés de incentivarem os modismos estéticos, já que o professor de educação física é um educador, na medida em que desempenha um papel de formação de valores educacionais e socioculturais. Pessoa que escreve no blog (página online onde são feitas publicações frequentes com fotos, vídeos, textos, entre outros, contando experiências, transmitindo algum tipo de informação). Pessoa que escreve no blog (página online onde são feitas publicações frequentes com fotos, vídeos, textos, entre outros, contando experiências, transmitindo algum tipo de informação).

 


Palavras-chave


Marketing e Tecnologia; Exercícios físicos; Comportamento do consumidor; Corpo ideal

Referências


Conselho Federal De Educação Física (2015). Disponível em: http://www.confef.org.br/extra/revistaef/show.asp?id=4294. Acesso em: 02 set. 2016.

Damacena, C., Petroll, M. M., & Vontobel, J. K. (2015). Os efeitos da Comunicação nas Midias Sociais sobre o Consumidor: uma replicação do estudo de Schivinski e Dabrowski. Revista Gestão & Tecnologia, 15(2), 135-160.

Delmanto, F. (2016). O risco dos blogs fitness. Revista Educação Física, 56 (2), 20-22

Diario Gaúcho. Alerta para saúde. Disponível em: http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2016/10/mayra-cardi-e-alvo-de-denuncias-no-conselho-de-nutricao-de-sao-paulo-por-programa-de-emagrecimento-7834073.html. Acesso em: 20 out. 2016.

Felerico, S & Molina, V. (2014). “Mulheres Rãs”: Mais uma beleza do presente. Disponível em: http://congreso.pucp.edu.pe/alaic2014/wp-content/uploads/2013/09/GT7-Felerico-Molina.pdf. Acesso em: 21 set. 2016.

Figueira Junior, A. (2000). Potencial da Mídia e Tecnologias Aplicadas no Mecanismo de Mudança de comportamento Através de Programas de Intervenção de Atividade Física. Revista brasileira de Ciência & Movimento, 8(3), 39-46.

Garcia, R. P. & Lemos, K. M. (2003). A estética como valor na educação física. Revista Paulista de Educação Física. 17(1), 32-40.

Gentil, P. (2006). Algumas considerações sobre treinamento resistido. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd170/consideracoes-sobre-treinamento-resistido.htm. Acesso em: 22 set. 2016.

Gentil, P. (2011). Musculação: a importância do acompanhamento adequado. Disponível em: http://www.gease.pro.br/artigo_visualizar.php?id=220. Acesso em: 30 set. 2016

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas

Kehl, M. R. (2005). Com que corpo eu vou? in: BUCCI, E. & KEHL, M. R. (orgs) Videologias. 2 ed. São Paulo: Boitempo. p. 175.

Lipovetsky, G. (1989). O império do efêmero – A moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras.

Merleau-Ponty, M. (2011). Fenomenologia da percepção. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes

Monteiro, A. H. & Barreto, A. G. P. (2016). Marketing 4.0 e a Cultura de Fãns: Potterheads comprovam que, mais uma vez, Kotler está certo. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/321018834_Marketing_40_e_a_Cultura_de_Fas_Potterheads_comprovam_que_mais_uma_vez_Kotler_esta_certo. Acesso em: 04 nov. 2016.

Moreira, W. W. (1990). A ação do professor de Educação Física na escola: uma abordagem fenomenológica. Tese de doutorado, Universidade Estadual Campinas, Campinas, SP, Brasil. Disponível em: http: //repositório.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252755. Acesso em: 06 set. 2016.

Musolino, N. R. de C. & Duarte, F. H. G. (2014). Blogs sobre fitness podem fazer leitor colocar sua saúde em risco. Disponível em: http://noticias.uol.com.br/opiniao/coluna/2014/07/14/blogs-sobre-fitness-podem-fazer-leitor-colocar-sua-saude-em-risco.htm. Acesso em: 25 set 2016

Nascimento, A. C., Perez, C., Oliveira, D.A. & Bronsztein, K.P. (2013). Celebridades, marcas e consumo: quais os atributos dos famosos fortalecem um produto no mercado. Rev. Signos do Consumo, 5 (1), 70-87.

Queiroz, R. S. (org.) (2000). O corpo do Brasileiro. São Paulo: Senac

Santos, A. R. M. (2013). A busca pela beleza corporal na feminilidade e masculinidade. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 21(2), 135-142

Santos, S., & Silva, E. (2014). O impacto e influência da mídia sobre a produção da subjetividade. Disponível em: http://www.abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/447.pdf. Acesso em 30 set 2016.

Schivinski, B., & Dabrowski, D. (2014). The effect of social media communication on consumer perceptions of brands. Journal of Marketing Communications, 1-26.

Simões, D. (2014). Até que vale a busca pelo corpo perfeito?. Disponível em: http://www.a12.com/jornalsantuario/noticias/ate-que-ponto-vale-a-busca-pelo-corpo-perfeito. Acesso em: 02 out. 2016.

Sodre, R. (2015, abril 12). Blogs fitness escondem riscos. O Tempo, Caderno Saúde, 01 Disponível em: http://www.otempo.com.br/blogs-fitness-escondem-riscos-1.1023175. Acesso em: 02 out 2016.

Tomael, M. I., Alcará, A. R. & DI Chiara, I. G. (2005). Das redes sociais a inovação. Revista Ciência da Informação, 34 (2), 93-104.

Trinca, T. P. (2008). O corpo-imagem na “cultura do consumo”: uma análise histórico-social sobre a supremacia da aparência no capitalismo avançado. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP, Brasil. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciasSociais/Dissertacoes/trinca_tp_ms_mar.pdf. Acesso em: 10 out. 2016.

Tubino, M. J. G. (2003). Metodologia Científica do treinamento desportivo. 13ed. São Paulo: Phorte

Vasconcellos, M. (2015). Educação física e o exercício ilegal da profissão por blogueiros, celebridades e musas “fitness”. Disponível em: http://www.papodeesteira.com.br/blogs/no-pace-da-vida/educacao-fisica-e-o-exercicio-ilegal-da-profissao-por-blogueiros-celebridades-e-musas-fitness. Acesso em: 16 ago. 2016.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X

Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000