De Torcedor a Investidor: Um Estudo dos Antecedentes para a Determinação de Tornar-se um Investidor Financeiro em Times de Futebol

Sônia Regina D'Amélio Pontes, Sérgio Roberto da Silva, Fernando de Almeida Santos

Resumo


Os esportes no Brasil e no mundo são fontes de emprego e renda. Apesar de ser o esporte mais popular no país e possuir torcedores diversos, os clubes de futebol não participam no mercado de ações brasileiro. Observando este fato, a pesquisa identificou o grau de probabilidade do torcedor do time transformar-se em um investidor. Portanto, foi realizada pesquisa quantitativa do tipo survey, utilizando a escala de Likert, com 283 torcedores de diversos times de futebol no Brasil. Para a análise dos dados foi utilizada estatística não paramétrica. A pesquisa lançou hipóteses acerca do gênero, idade, renda e torcedores dos maiores times brasileiros. Os resultados da pesquisa indicam que os entrevistados se encontram na categoria dos “indecisos/duvidosos”. Os gêneros não possuem índices diferentes, porém, numericamente as mulheres possuem mais confiança no investimento. A idade e a renda, também, não demonstram influenciar na probabilidade de tornar-se investidor. Por fim, mesmo os times com grande número de torcedores, não se diferenciaram dos demais times em relação a opção de investir. A pesquisa visa contribuir para a análise da estratégia de associação entre torcedores a investidores e com possíveis políticas para construção de ambientes de investimentos em clubes de futebol no Brasil.


Palavras-chave


Governança corporativa; Clubes de futebol; Investimento e Mercado de capitais

Referências


Aidar, A. C. K. (2000). A Transformação do Modelo de Gestão no Futebol. Relatório de Pesquisa, (16), 1–121.

Agência Lusa. (2013). Mourinho aprova fair play financeiro. Jornal Público. Recuperado de:http://www.publico.pt/desporto/noticia/mourinhoaprova-fair-play-financeiro-1597572.

Aldrighi, D. M.; Milanez, D.Y. (2005). Finança comportamental e a hipótese dos mercados eficientes. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, 9(1): 41-72. Recuperado de: http://www.ie.ufrj.br/images/blog/REC_9.1_02_Financa_comportamental_e_a_hipotese_dos_mercados_eficientes.pdf.

Amara, M., et al. (2005). The governance of professional soccer: Five case studies – Algeria, China, England, France and Japan. European Journal of Sport Science, 5(4), 189–206. Recuperado de: https://doi.org/10.1080/17461390500344503.

B3 (Brasil, Bolsa e Balcão). Perfil e Histórico. Recuperado de: http://ri.bmfbovespa.com.br/static/ptb/perfil-historico.asp?idioma=ptb.

BDO, RCS Auditores Independentes. 10º Valor das Marcas dos Clubes Brasileiros, 2017. Recuperado em 13 maio, 2018, de: https://www.bdo.com.br/pt-br/publicacoes/noticias-em-destaque/10%C2%BA-valor-das-marcas-dos-clubes-brasileiros.

Bastos, P. S. S., Pereira, R. M., Tostes, F. P. (2007). Uma Contribuição Para a Evidenciação do Ativo Intangível: Atletas dos Clubes de Futebol. Revista Pensar Contábil, 9(36). Recuperado de: http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/pensarcontabil/ article/viewFile/123/124.

Cleverson, L.; Campos, F. de. (2008). Diferenças de planejamento e administração de clubes de futebol da Europa e do Brasil. Revista Mineira de Educação Física, 16(1), 50–63.

Cobos, P. (2013). United, Arsenal, Juve, Dortmund, Ajax? Não, para ganhar dinheiro, o melhor clube de 2013 foi o Sporting. Recuperado de: http://espn.uol.com.br/noticia/379166_united-arsenal-juve-dortmund-ajaxnao-paraganhar-dinheiro-o-melhor-clube-de-2013-foi-o-sporting.

Dantas, M. G. S. et al. (2009). O comportamento do preço das ações de clubes mediante a variação de aspectos contábeis: o estudo de caso do Juventus F.C. – Itália. Revista Ambiente Contábil, 1(2). Recuperado de: http://ccsa.ufrn.br/ojs/index.php/ambiente/article/ view/105/95.

Dorow, A. Macedo Júnior, J. S. Nunes, P. Reina, D. Maximiniano, D. R. A heurística da ancoragem e a tomada de decisão sob risco em investimentos imobiliários. Revista Contabilidade, Gestão e Governança - Brasília · v. 13 · n. 3 · p. 86 - 101 · set/dez 2010.

Drummond, N. A. (2012).Futebol: a gestão além do coração. ABEX Futebol (Associação Brasileira dos Executivos de Futebol). Recuperado de: http://www.abexfutebol.com.br/2012/10/futebol-a-gestao-alem-do-coracao.

Fama, E.”Market Efficiency, Long-Term Returns, and Behavioral Finance.” Jornal of Financial Economics. 49:3 p.283-306.

Festinger, L. A theory of cognitive dissonance. Evanston, Ill: Row Peterson, 1957.

Goetzmann, W. N.; PELES, N. (1997). Cognitive dissonance and mutual fund investors. Journal of financial Research, 20(2), 145-158.)

Halfeld, M.; Torres, F. F. L. (2001). Finanças comportamentais: a aplicação no contexto brasileiro. RAE – Revista de Administração de Empresas. 41(2), 64-71. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/rae/v41n2/v41n2a07.pdf.

Jackson, J. (2015). Manchester City owners announce £265m deal with Chinese investors. The Guardian, Football. Recuperado de: https://www.theguardian.com/football/blog/2015

/dec/01/manchester-city-owners-china-venture-power.

Kahneman, D.; Tversky, A. (1974). Judgment under Uncertainty: Heuristics and Biases. Science 27. V. 185. p. 1124-1131.

Kahneman, D.; TVERSKY, A. (1979). Prospect theory: an analysis of decision under risk. Econometrica, 47(2), 263-291.

Kahneman, D.; Riepe, M.W. Aspects of Investor Psychology. The Journal of Portfolio Management, 1998, p. 52-65.

Kimura, H. (2003). Aspectos comportamentais associados às relações do mercado de capitais. RAE-eletrônica. 2(1). Recuperado de: http://www.rae.com.br/eletronica /index.cfm?FuseAction=Artigo&ID=1880&Secao=2º PWC&Volume=2&.

Leoncini, M. P.; Silva, M. T. da. (2005). Entendendo o futebol como um negócio: um estudo exploratório. Gestão & Produção, 12(1), 11–23. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S0104530X2005000100003.

Marques, D. S. P.; Costa, A. L. (2009). Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração, 44(2), 118–130. Recuperado de: http://www.spell.org.br/documentos/ver/6829/governanca-em-clubes-de-futebol--um-estudo-comparativo-de-tres-agremiacoes-no-estado-de-sao-paulo.

Moraes, I. et al (2014). A Boa Governança dos Clubes de Futebol e o Fair Play Financeiro: O Modelo Europeu e a Proposta Brasileira. Revista Intercontinental de estão Desportiva, Rio de Janeiro, 4 (1), 106-125. Recuperado de: http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=article&op=view&path%5B%5D=1270&path%5B%5D=945.

Moresco, E.; Silva, R. (2016). Avaliação da governança corporativa nos clubes de futebol profissional da série “A” do Campeonato Brasileiro de 2015, classificados até a 8ª colocação. Revista Gestão Premium. 5(1).

Oliveira, J. N.; Montibeler, E. E. (2017). Finanças Comportamentais: Um Estudo Sobre a Aversão a Perda na Tomada de Decisão. Revista Eletrônica Estácio Papirus, v.4, n.2, p. 147-162, jul./dez.

Proni, M. W., Libanio, J. P. M. O futebol brasileiro na Bolsa de Valores?.Unicamp. IE, Campinas, n. 274, jun. 2016. Recuperado de: www.eco.unicamp.br/docprod/downarq.php?id=3469&tp=a.

Rebouças, L. (2011). Mulheres na Bolsa. Revista RI, 151(4), 33. Recuperado de: https://mulherinvest.files.wordpress.com/2011/04/ri-151-mercado-de-ac3a7c3b5es-mulheres-na-bolsa-por-lucia-rebouc3a7as-22.pdf.

Rezende, A. J.; Facure, C. E. F.; Dalmácio, F. Z. (2009). Práticas de governança corporative em organizações sem fins lucrativos. Anais do Congresso USP Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil, 9. Recuperado de: http://www.congressousp.fipecafi.org/anais/artigos92009/432.pdf.

Roesch, S. M. A. (1996). A dissertação de mestrado em Administração: proposta de uma tipologia. Revista de Administração da USP, 31(1), 75-83.

Shefrin, H, (2000). Beyond Greed and Fear. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Press.

Silva, C. A. T.; Teixeira, H. de M.; Niyama, J. K. (2009). Evidenciação contábil em entidades desportivas: uma análise dos clubes de futebol brasileiros. Congresso USP Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil 9. Recuperado de: http://www.congressousp.fipecafi.org/anais/artigos92009/305.pdf.

Silva, J. A. F.; Carvalho, F. A. A. de. (2009). Evidenciação e desempenho em organizações desportivas: um estudo empírico sobre clubes de futebol. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(6), 96–116. Recuperado de: http://www.rco.usp.br/index.php/rco/article/view/69.

Silva, R. T.; Ribeiro, C. M.; Silva, B. A. P. (2012). O Modelo Fleuriet de Análise do Capital de Giro Aplicado em Entidades Desportivas: Como era a Situação Financeira dos Maiores Clubes de Futebol Brasileiros nos Anos de 2009 e 2010? Revista Parlatorium, 7(1), 1-18. Recuperado de: http://www.faminasbh.edu.br/upload/downloads /20130627151435_147280.pdf.

Soares, A. (2013). Fair-play financeiro é uma anedota. Jornal O Jogo. Recuperado de: https://www.ojogo.pt/internacional/noticias/interior/fair-play-financeiro-e-uma-anedota-3355198.html.

Soderman, S. (2013). Football and management: comparisons between sport and enterprise. New York. Palgrave McMillan.

Walter, S. A.; Frega, J. R.; Silva, W. V. Análise do comportamento e da percepção do investidor em relação ao risco sob a ótica da teoria de finanças comportamentais. Revista de Administração, 45(2), 172-187. Recuperado de: http://www.spell.org.br/documentos/ver/4443/analise-do-comportamento-e-da-percepcao-do-investidor-em-relacao-ao-risco-sob-a-otica-da-teoria-de-financas-comportamentais/i /pt-br.

Uefa, (2015). Club Licensing and Financial Fair Play Regulations. Regulations. Article 2º. 2. Recuperado de: http://www.uefa.com/MultimediaFiles/Download/Tech/uefaorg/General/02/26/77/91/2267791_DOWNLOAD.pdf.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.