Estratégias de Combate ao Marketing de Emboscada em Processos de Patrocínio no Brasil: Um Estudo Multicaso

Nicolas Caballero Lois, Olga Regina Cardoso, Carlos Eduardo Freitas da Cunha

Resumo


O marketing de emboscada constitui-se, cada vez mais, em umas das principais ameaças ao sucesso de um processo de patrocínio esportivo. Desta forma, torna-se imprescindível que tanto entidades esportivas, quanto empresas investidoras, desenvolvam ações eficientes para inibir esta prática oportunista, alcançando resultados significativos para as partes envolvidas no processo (patrocinador e patrocinado). O presente trabalho tem por objetivo analisar as estratégias de combate ao ambush marketing em processos de patrocínio esportivo no Brasil. Para isto, tomou-se, como objeto de estudo, os principais patrocínios esportivos existentes no país quando levado em conta verba investida, duração do investimento e resultados obtidos por ambas as partes (entidades esportivas e empresas investidoras). A partir dos dados levantados, pode-se observar uma preocupação das partes envolvidas em um processo de patrocínio esportivo no que diz respeito ao marketing de emboscada. De igual forma, pode-se verificar que um monitoramento no evento e ação da concorrência, ocupação nos meios de comunicação e dos espaços in loco, cobrança e retirada das marcas concorrentes, bem como monitoramento dos protagonistas da ação esportiva, foram estratégias desenvolvidas tanto por parte das entidades esportivas, quanto empresas investidoras, para coibir esta prática.

DOI: 10.5585/podium.v2i1.34


Palavras-chave


Patrocínio; Esporte; Emboscada; Combate.

Referências


Cardia, W. (2004). Marketing e patrocínio esportivo. Porto Alegre: Bookman,

Ferrand, A., Camps, A. & Torrigiani, L. (2007). La gestión de sponsoring desportivo. Badalona: Editorial Paidotribo.

Freire, M., & de Almeida, D. (2006). Ouro Olímpico: a história do marketing dos aros. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

Gurgel, A. (2010). Dos jogos Pan-Americanos Rio 2007 à Olimpíada Rio 2016: a construção de um conceito de legado dos megaeventos esportivos no Brasil. Revista de Economia & Relações Internacionais. v.8, n.16.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing: Uma orientação aplicada. (3. Ed). Porto Alegre: Bookman.

Mckelvey, S. (1994). Atlanta 96: Olympic countdown to ambush Aemageddon. Seton hall journal of Sport Law, IN Mullin, B., Hardy, S. & Sutton, William (2004). Marketing esportivo. Porto Alegre: Artmed/ Bookman.

Meenaghan, T. (1994). Point of view: ambush marketing: immoral or imaginative practice? Journal of Advertising Research, n. 5.

Meenaghan, T. (2001). Understanding sponsorship effects. Psychology & Marketing, v.18, n. 2, p. 95-122.

Mullin, B., Hardy, S. & Sutton, William (2004). Marketing esportivo. Porto Alegre: Artmed/ Bookman.

Payne, M. (2006). A virada olímpica: como os Jogos Olímpicos tornaram-se a marca mais valorizada do mundo. Rio de Janeiro: Casa da Palavra: COB.

Rodriguez, M. (2009) Introduccion al marketing deportivo. Buenos Aires: Editorial Medrano.

Sandler, D.; Shani D. (1989). Olympic sponsorship VS. Ambush marketing: Who gets the gold? Journal of Advertising research. August- September. IN Ferrand, A., Camps, A. & Torrigiani, L. (2007). La gestión de sponsoring desportivo. Badalona: Editorial Paidotribo.

Stotlar, D. (2005). Como desenvolver planos de marketing esportivo de sucesso. São Paulo: Idéia e Ação.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.