Mercado de Bens Simbólicos do Futebol: A Estratégia Empreendedora da Gestão Andrés Sanchez no Sport Club Corinthians Paulista

Renato Berton, Roberto Bazanini, Denis Donaire

Resumo


O crescimento do mercado de bens simbólicos se tornou realidade em todos os continentes. Particularmente, o futebol, desde a Copa do Mundo de 1990, passou por crescimento financeiro incomum. A exploração da paixão dos torcedores/consumidores pelo futebol e por seus respectivos clubes transformou-se em grande atividade comercial e de prestação de serviços, após o advento da Lei Pelé em março de 1998. Consequentemente, os clubes deixaram de ser meras agremiações esportivas e se tornaram grandes organizações, responsáveis por oferecer um produto atraente e cada vez mais rentável. A estratégia empreendedora da gestão de Andrés Sanchez possibilitou ao Sport Club Corinthians Paulista, em 2012, alcançar o primeiro lugar de empresa no futebol brasileiro e a sexta colocação no cenário mundial. Por meio de pesquisa exploratória de natureza qualitativa, ex-post factum, acompanhada de entrevista em profundidade com gestores participantes do empreendimento e membros da torcida organizada, o objetivo central da pesquisa, na perspectiva fenomenológica, buscou identificar as estratégias empregadas na Gestão Andrés Sanchez para a valorização da marca. Os resultados da pesquisa apontam para a integração das estratégias funcionais com a estratégia dos negócios. Na percepção dos entrevistados, a visão empreendedora permitiu ao clube, em quatro anos (2008-2011), formar a base de seu acelerado crescimento para, posteriormente, alcançar posicionamento diferenciado e, consequentemente, vantagem competitiva sustentável.

DOI: 10.5585/podium.v2i1.35


Palavras-chave


Corinthians; Estratégia dos Negócios; Mercado de Bens Simbólicos.

Referências


Aaker, D. A. (1996). Criando e administrando marcas de sucesso. São Paulo: Futura.

Aaker, D. A.; Biel, A. L. (1993). Brand equity and advertising overview. In Aaker, D. A.; Biel, A. L. (eds.). Brand equity and advertising: advertiser’s role in building strong brands. Hillsdale, NY, Lawrence Erlbaum Associates, p. 1-8.

Aidar, A. C. K.; Leoncini, M. P.& Oliveira, J. J. (2000) A nova gestão do futebol. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Ambler, T. (1997). Do brands benefit consumers? International Journal of Advertising, 23 (11) 166-198.

Assumpção, M. L. T. (1977). Estruturação da entrevista psicológica. São Paulo: Atlas.

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bazanini, R. (2005). O ensino de filosofia como um processo existencial humano. O Método Bazanini no ensino de filosofia. Filosofia aplicada à administração. São Paulo: Plêiade.

Biel, A. L. (out. 1991). The brandscape: converting brand image into equity. ADMAP, 41-46.

Biondo, G. G. (2010). Dossiê Futebol e Gestão. In: Revista HSM Management. n. 80, 14 (3) 73-79.

Blackston, M., (1992). Observations: building brand equity by managing the brand relationships', Journal of Advertisng Reserch, 32 (3), 79-84.

Bourdieu, P. (1999) A economia das trocas simbólicas. 5 ed. São Paulo: Perspectiva.

Caldwell, N.& Coshall, J. (2002) Measuring brand associations for museums and galleries using repertory grid analysis. Management Decision, 40 (4), 383 – 392.

Carvalho, J. L. F.& Vergara, S. C. (2002). A fenomenologia e a pesquisa dos espaços de serviços. Revista de Administração de Empresas, 42 (3), 78-91.

Chaudhuri, A. (2002). How brand reputation affects the advertising-brand equity link. Journal of Advertising Research, 42 (3).

Chen, A. C. H. (2001) Using free association to examine the relationship between the characteristics of brand associations and brand equity. Journal of Product & Brand Management, 10(7), 439-451.

Correa da Silva, Raul (org). Valor das marcas dos 17 maiores clubes de futebol do Brasil. BDO RCS Brasil, edição de 2012, Recuperado em 05 de dezembro de 2012, de http://www.bdobrazil.com.br/pt/publicacoes.html .

Damo, A. S. (2005) Do Dom à profissão. Uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. Tese de Doutorado. Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Davis, S.; Halligan, C. (2002). Extending your brand by optimizing your customer relationship, Journal of Consumer Marketing, 19 (1) 7 – 11.

Drucker, P. F. (2002). Inovação e espírito empreendedor: prática e princípios. Malferrari, São Paulo: Pioneira.

Duarte, N. (2002, junho). Who is Vygotsky: epistemological issues and implications for the debates. In: Congress of The International Society For Cultural Research And Activity Theory, 5, Amsterdam, Holanda.

Exame.com. (2012, janeiro) Brasil entra no G6 dos negócios do futebol. Recuperado em 05 de dezembro, 2012, de http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/brasil-entra-no-g6-dos-negocios-do-futebol.

Franco Junior,, H. (2007). A dança dos deuses: futebol, cultura e sociedade.São Paulo: Companhia das Letras.

Kapferer, J. N. (1994). Strategic brand management. 2nd ed. New York: Free Press.

Keller, K. L. (2003). Understanding Brands, Branding, and Brand Equity, Interactive Marketing, 5 (1), 7-20.

Knox, S. & Walker, D. (2001). Measuring and managing brand loyalty. Journal of Strategic Management, 9 (1), 111-128.

Kotler, P. (1995). Administração de Marketing. Análise, Planejamento, Implementação e Controle. 4a. Ed. São Paulo: Atlas.

Kuper, S.& Szymanski, S. (2010). Soccernomics: Por que a Inglaterra perde, a Alemanha e o Brasil ganham, e os Estados Unidos, o Japão, a Austrália, a Turquia e até mesmo o Iraque podem se tornar os reis do esporte mais popular do mundo. Rio de Janeiro: Tinta

Negra Bazar Editorial.

Leoncini, M. P. (2001). Entendendo o negócio futebol: um estudo sobre a transformação do modelo de gestão estratégica nos clubes de futebol. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, SP.

Lüdke, M.& André, M. E. D. A. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Mattar, M. FL. (2007). Tomada de decisão em ações de patrocínio esportivo: análise descritiva do processo decisório e critérios de seleção em empresas patrocinadoras no Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Mattar, F. N. (1999). Pesquisa de marketing: metodologia, planejamento. 5.ed. São Paulo: Atlas.

Mayer, M. M. (2010). Futebol: O Negócio por trás do jogo. Estudo de Caso do São Paulo Futebol Clube. Dissertação de Mestrado. FGV. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas - Mestrado Executivo em Gestão Empresarial. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Mintzberg, H; Ahlstrand, B.; Lampel (2000). Safari de estratégia. um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Paiva Jr, F. G.& Cordeiro, A. T. (2002). Empreendedorismo e o espírito empreendedor: uma análise da evolução dos estudos na produção acadêmica brasileira. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, 26,

, Salvador-BA. Anais. Salvador: 2002. 1 CD-ROM.

Randazzo, S. (1993). A criação de mitos na publicidade. Rio de Janeiro: Rocco.

Rein, I.; Kotler, P.& Shields, B. (2008) Marketing Esportivo: A reinvenção do esporte na busca de torcedores. Porto Alegre: Bookman.

Salles, J. G. C. (2004). Entre a paixão e o interesse: o amadorismo e o profissionalismo no futebol brasileiro. Tese de Doutorado. Universidade Gama Filho,

Sanchez, A. & Oller, Tadeo Sanchez. O mais louco do bando. São Paulo, G7 Books, 2012.

Sanders, P. (1992). Phenomenology: A new way of viewing organizational research. The

Academy of Management Review, (1982), 7, pp. 353-360.

Santos, L. M. V. V. (2002). A evolução da gestão no futebol brasileiro. Dissertação de Mestrado. FGV/EAE. São Paulo, 2002.

Santos, F. de A. (2011). A gestão dos clubes de futebol como clube empresa: estratégia de negócio. Dissertação de Mestrado. Rio Grande do Sul, UFRGS.

Selltiz, C.; Wrightsman, L. S.& Cook, S. W. (1967). Planejamento de pesquisa, in Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais. São Paulo, Ed. Herder e Ed. da Universidade de São Paulo.

Soares, M. L. (2007). A miopia do marketing esportivo no Brasil: proposta de um modelo de gestão de marketing esportivo para os clubes brasileiros. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo (FEA).

Trivinõs. A. N. S. (1990). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Wilches, L.(2012). Cantos da Vitória: As músicas que transformam o futebol em espetáculo. Disponivel em http://www2.metodista.br/unesco/1_Ecom%202012/GT5/14.

Woodside, A. G.& WILSON, E. J. Effects of consumer awareness of advertising on preference. Journal of Advertising Research, 25 (1), 41-48.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.