Futebol e o Giro Neoliberal: Apontamentos e o Caso Brasileiro

Fernanda Ribeiro Haag

Resumo


O futebol é reconhecidamente uma das mais populares práticas sócio-culturais existentes. Assim, é um importante operador cultural e detém uma formação histórica própria. O esporte, entretanto, não se restringe apenas ao seu caráter cultural, há outros aspectos envolvidos, como o econômico. O vínculo futebol – capitalismo remonta desde o surgimento da prática esportiva, estando sempre interligado às relações de mercado. A hipótese que buscamos analisar aqui é que a partir do final da década de 1970 e principalmente início de 1980, o futebol passa por um giro neoliberal, o que modifica drasticamente suas estruturas. Assim, o objetivo é realizar alguns apontamentos acerca dessa transformação, compreendendo-a historicamente em um contexto mais amplo e global e depois pensando de que forma ocorreu no Brasil com as suas especificidades.

DOI: 10.5585/podium.v2i1.36


Palavras-chave


Futebol; Capitalismo; Brasil.

Referências


Ahmad, Aijaz. (1999). Problemas de classe e cultura In: WOOD, Ellen e FOSTER, John B. (Orgs.) Em defesa da História: marxismo e pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Alvito, Marcos (2006). A parte que te cabe nesse latifúndio: o futebol brasileiro e a globalização. Análise Social. Lisboa, v. XLI, 2º trimestre de 2006.

Anderson, Perry (1995). Balanço do neoliberalismo. In: SADER, Emir; GENTILI, Pablo (orgs.). Pós-neoliberalismo. As políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra.

Bourdieu, Pierre (1990). Coisas Ditas. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

Cruz, Antonio H. O. (2010). A virada econômica no futebol: observações a partir do Brasil, Argentina e uma Copa do Mundo. Tese de Doutorado em Antropologia Social, Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Da Silva, F. C. T. (2007). Crise da ditadura militar e o processo de abertura política no Brasil, 1974-1985. In Ferreira, J.; Delgado, L. de A. N. (Orgs.). O Brasil Republicano: O tempo da ditadura: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Damo, A. S. (2007). Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: Hucitec: Anpocs.

Fiengo, S. V. (2003). Gol-balización, identidades nacionales y fútbol. In Alabarces, P. (Org.). Futbologías: fútbol, identidad y violencia en América Latina. Buenos Aires: CLACSO.

Giulianotti, R. (2002). Sociologia do futebol. Dimensões históricas e socioculturais do esporte das multidões. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

Gros, D. B. (2003). Organizações empresariais e ação política no Brasil a partir dos anos 80. Civitas, Revista de Ciências Sociais. Porto Alegre, 3(2), 273-300

Guedes, S. L. (1998). O Brasil no campo de futebol. Estudos antropológicos sobre os significados do futebol brasileiro. Niterói: EDUFF.

Harvey, D. (2007). A condição pós-moderna. Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola.

Jameson, F. (2006) A lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Editora Ática.

Manzenreiter, W. (2007). The business of sports and the manufacturing of global social inequality. Esporte e Sociedade. Niterói, 2(6), 1-22.

Santa Cruz, E. (2003). Fútbol y nacionalismo de mercado em el Chile actual. In Alabarces, P. (Org.). Futbologías: fútbol, identidad y violencia en América Latina. Buenos Aires: CLACSO.

Tranter, N. (1998). Sport, economy and society in Britain, 1750-1914. Cambridge: Cambridge University Press.

Williams, R. (1979). Marxismo e Literatura. Rio de Janeiro: Zahar.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000