Perfil do Gestor de Instalações Esportivas do Norte de Portugal

Cacilda Mendes dos Santos Amaral, Flávia da Cunha Bastos, José Pedro Sarmento

Resumo


Em Portugal os espaços destinados a prática esportiva estão definidos em lei federal além de possuir um Regime Jurídico proposto pela Confederação do Desporto de Portugal (Portugal, 2009). As Câmaras também possuem regulamentos que estabelecem as normas de funcionamento e utilização das instalações esportivas do município (Castro Marim, 2003)) o que acaba por influenciar o modo como esta instalação será gerida, pois este regulamento é um instrumento administrativo (Cunha, 2007) e muitas das ações e atividades que devem ocorrer na instalação são determinadas por este instrumento. Tendo em vista o crescimento da área de gestão do esporte e considerando-se que o desenvolvimento esportivo se dá pelas condições para a prática esportiva, acreditamos ser relevante a reflexão a respeito dos profissionais que estão encarregados das tarefas de planejamento e administração destes espaços esportivos. Portanto, esta pesquisa teve como objetivo compreender o perfil do gestor de instalações esportivas do norte de Portugal através do levantamento, identificação e comparação de pontos relativos a características pessoais, de formação e funcionais. Os resultados encontrados apontam que majoritariamente os ocupantes destes cargos são do sexo masculino, possuem em sua maioria formação em educação física ou desporto e concentram a maioria de suas tarefas em atividades ligadas às áreas de manutenção e oferta e exploração da instalação enquanto que atividades de administração financeira, marketing e promoção são realizadas com menor frequência pelos gestores.


Palavras-chave


instalação esportiva, gestão do esporte, perfil do gestor esportivo

Referências


Azevêdo, P. H., Barros, J. de F., & Suaiden, S. (2004). Caracterização do Perfil do Gestor Esportivo dos Clubes da Primeira Divisão de Futebol do Distrito Federal e Suas Relações com a Legislação Esportiva Brasileira. R. da Educação Física/UEM, 15(1), 33–42.

Balbinotti, M. A. A., & Barbosa, M. L. L. (2008). Análise da consistência interna e fatorial confirmatório do IMPRAFE-126 com praticantes de atividades físicas gaúchos. Psico-USF, 13(1), 1–12. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-82712008000100002&script=sci_arttext

Bastos, F. D. C., Barhum, R. A., Alves, M. V., Bastos, E. T., Mattar, M. F., Rezende, M. F., … Bellangero, D. (2006). Perfil do Administrador Esportivo de Clubes Sócio - Culturais e Esportivos de São Paulo / Brasil. c2Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, 5(1), 13–22. Retrieved from http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/remef/article/view/1296

Bastos, F. D. C., Barhum, R., Alves, M., Bastos, E., Mattar, M., Rezende, M., … Bellangero, D. (2004). Perfil do Administrador Esportivo de Clubes de São Paulo/Brasil. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 4(2 (suplemento)), 333–334. Retrieved from http://www.fade.up.pt/rpcd/_arquivo/RPCD_vol.4_nr.2.pdf

Campos-Izquierdo, A., Martínez del Castillo, J., Mestre-Sancho, J. A., & Pablos-Abella, C. (2007). Los profesionales de la organización y gestión de actividad física y deporte en las instalaciones deportivas y entidades: características socio-demográficas y formativas. RICYDE. Revista internacional de ciencias del deporte, 3(8), 25–38. doi:10.5232/ricyde2007.00803

Castro Marim. (2003). Regulamento Geral das Instalações Desportivas de 17 de outubro de 2003. Castro Marim: Câmara Municipal de Castro Marim. Retrieved from http://www.cm-castromarim.pt/site/modules.php?op=modload&name=Downloads&file=index&req=viewdownload&cid=3

Constantino, J. M. (1999). Esporte, política e autarquia. Lisboa: Livros Horizonte.

Cunha, L. M. (2007). Os Espaços do Desporto: Uma Gestão para o Desenvolvimento Humano. Coimbra: Almedina.

Fried, G. (2005). Managing Sport Facilities (1st ed., p. 368). University of New Haven: Human Kinetics Publishers.

Gómez Tafalla, A., Gómez, J., & Moreno, F. (2004). Definición de las Tareas Del Gestor Deportivo em el Área de Instalaciones Deportivas em La Comunidad Valenciana. In III Congreso de la Asociación Española de Ciencias del Deporte. Retrieved from http://agaxede.org/uploads/file/4congreso2012/tareas_gestor.pdf

Instituto Nacional de Estatística I. P. (2011). Classificação Portuguesa das Profissões 2010. Lisboa, Portugal: Edição 2011.

Joaquim, B., Batista, P., & Carvalho, M. (2011). Revisão Sistemática sobre o perfil de competências do gestor desportivo. Movimento (ESEF/UFRGS), 17(1), 255–279. Retrieved from http://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/15104

Karnas, G. S. (2010). Perfil do gestor esportivo nos países de língua portuguesa: uma revisão de literatura. Universidade Federal do Rio Grande de Sul.

Lisboa, C. M. de. (2009). Carta Desportiva Lisboa. Lisboa: Divisão de Equipamentos Desportivos. Retrieved from http://www.cm-lisboa.pt/viver/desporto/carta-desportiva

Mazzei, L. C., & Bastos, F. D. C. (2012). Gestão do esporte no Brasil: desafios e perspectiva. In Gestão do esporte no Brasil: Desafios e Perspectivas (1st ed.). São Paulo: Ed. Ícone.

Pedroso, C. A. (2011). Gestão de equipamentos esportivos na cidade. In V. Menezes & C. A. Pedroso (Eds.), Gestão do esporte: uma introdução. Recife: Ed. Universitária UFPE.

Peiró, J. M., Martinéz-Tur, V., & Tordera, N. (1999). Análisis del puesto de gerente de instalaciones deportivas: tareas reactivas y proactivas*. Anuario de Psicologia, 30(1), 85–103.

Peiró, J. M., Ramos, J., & González, P. (1993). Analisis Funcional Del Puesto de Gerente de Instalaciones Deportivas. Revista de Psicología Del Deporte, 10(24), 5–32.

Pinto, A. A., & Sarmento, J. P. (2009). Gestão das Instalações Esportivas. Fórum Olímpico de Portugal. Retrieved March 04, 2013, from www.gestaodesportiva.com.br/Gestao das Instalacoes Esportivas.pdf

Pires, G. M. V. da S., & Sarmento, J. P. (2001). Conceito de Gestão do Desporto. Novos desafios, diferentes soluções. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 1(1), 88–103. Retrieved from http://www.gestaodesportiva.com.br/Novos Desafios Diferentes Solucoes.pdf

Porto, C. M. do. (2009). Atlas Desportivo da Cidade do Porto. Porto: Gabinete de Estudos e Planeamento. Retrieved from http://www.cm-porto.pt/gen.pl?sid=cmp.sections/1018

Portugal. (1988). Atlas Desportivo Nacional: Carta das instalações artificiais. Lisboa: Ministério da Educação. Direcção Geral dos Desportos.

Portugal. (1999). Decreto-Lei no 38599 de 28 de setembro. Regime de Responsabilidade Técnica das Instalações Desportivas Abertas ao Público. Lisboa: Diário da República.

Portugal. (2001). Decreto Regulamentar n.o 10/2001 de 7 de Junho. Regulamento das Condições Técnicas e de Segurança dos Estádios. Diário da República.

Portugal. (2007). Lei n.o 5/2007, de 16 de Janeiro. Lei de Bases da Actividade Física e do Desporto. Diário da República.

Portugal. (2009). Decreto-Lei 141/09 de 16 de junho de 2009. Consagra o Novo Regime Jurídico das Instalações Desportivas de Uso Público. Diário da República.

Portugal. (2011). Portaria 176/2011 de 28 de abril de 2011. Criação do curso profissional de técnico de apoio à gestão desportiva. Diário da República, 1a série – no 82.

Sarmento, J. P. (2009). Gestão das Instalações Esportivas. Fórum Olímpico de Portugal. Retrieved March 04, 2013, from www.gestaodesportiva.com.br/Gestao das Instalacoes Esportivas.pdf

Vergara, S. C. (2010). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. (Atlas, Ed.) (12th ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Walker, M. L., & Stotlar, D. K. (1997). Sport facility management. Boston: Jones and Bartlett Publishers.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.