Turismo de Aventura Acessível

Ana Maria Guimarães da Mota, Ádiler Caroline Vilkas, Elizabeth Kyoko Wada, Mateus Ferreira dos Santos

Resumo


O Turismo de Aventura utiliza os esportes radicais, que são praticados em situações potencialmente perigosas, requerendo atenção à segurança. Esse tipo de turismo está à disposição dos portadores de necessidades especiais. A falta de hospitalidade nas destinações turísticas leva em conta apenas a vertente econômica desta situação e não os demais aspectos. Com o aumento dessa demanda há uma amplificação das exigências do público especial e surge o problema estudado: “Por que ainda são poucos os parques adaptados para o turismo de aventura acessível?”. Esta pesquisa teve como objetivo geral: analisar quais as adaptações e adequações necessárias para atender ao público especial na cidade de Santos, litoral de São Paulo, em duas modalidades e a causa de ainda serem poucos os locais que as possuem e objetivos específicos: descrever as adaptações necessárias para o atendimento desse público, esclarecendo sobre a legislação vigente em Santos sobre adaptações das atividades, que abrangem esse segmento turístico; demonstrar os destinos de turismo de aventura adaptados para esse público em Santos; analisar comparativamente a viabilidade de cada esporte para cada necessidade especial. Para tanto, a metodologia dessa pesquisa empírica de caráter exploratório foi baseada em revisão bibliográfica e estudo de casos múltiplos, com entrevistas semiestruturadas e visitas técnicas. Como considerações finais percebeu-se que há falta de incentivo para as empresas de turismo de aventura dos destinos turísticos por parte dos órgãos públicos, bem como sua fraca infraestrutura, levando os turistas especiais a procurarem destinos mais completos e com menos “barreiras” entre eles e a prática dos esportes de aventura.

Palavras-chave: Hospitalidade. Stakeholders. Serviços. Acessibilidade. Turismo de Aventura.


Palavras-chave


Hospitalidade; Stakeholders; Serviços; Acessibilidade; Turismo de Aventura.

Referências


Almeida, Fabiana Oliveira; Sarmento, Lawrence G. Pereira. Turismo de Aventura. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2013.

Araújo, L. Perspectivas de Inclusão e Acessibilidade Para o Turismo de Aventuras. (2009). Belo Horizonte. Disponível em: . Acesso em: 20/10/2013.

Bezerra, Sandra Regina Zúniga de Souza. (2007). Apontamentos sobre Hospitalidade, Turismo e Modernidade. Revista Cesumar – Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. v. 12, n. 2.

Brasil. Ministério do Turismo. (2009). Secretaria de Políticas de Turismo. Estruturação de produto turístico / Ministério do Turismo. Ecoturismo. – [Brasília]: o Ministério: Florianópolis: SEAD/UFSC, p. 368.

Camargo, Luiz Octávio de Lima. (2004). Hospitalidade. Aleph. São Paulo.

Campos, Sinara Rafaela. (2008). Os cinco sentidos da hospitalidade. Observatório de Inovação do Turismo – Revista Acadêmica. v. III, n. 1.

Dias, C. M.; Rodrigues, R. (2002). Avaliação de impacto nas organizações do terceiro setor: uma abordagem baseada na teoria dos stakeholders. In: Encontro Nacional de Estudos Organizacionais. 2, 2002. Recife. Anais... Recife: Observatório da Realidade Organizacional: PROPAD/UFPE: ANPAD.

Dias, Célia Maria de Moraes. (2002). Hospitalidade: Reflexões e perspectivas. Aleph. São Paulo.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 12/10/2013.

Jones, Peter & Lockwood, Andrew. (2004). Administração das operações de hospitalidade. In: Lashley, Conrad e Morrison, Alison. Em busca da hospitalidade: perspectivas para um mundo globalizado. Manole. São Paulo.

Lashley, Conrad; Morrison, Alison. (2004). Em Busca da Hospitalidade. Perspectivas para um Mundo Globalizado. Manole. São Paulo.

Leal, L. A.; Campanhol, E. M. (2008). Políticas Públicas, desenvolvimento social e acessibilidade: o turismo inclusivo em Franca. Disponível em: . Acesso em: 10/09/2013.

Machado. A. (2005). Ecoturismo: um produto viável. Editora Senac. São Paulo.

Mendes, Bruna, C.; Paula, Nilma Morcerf. (2008). A Hospitalidade, o Turismo e a Inclusão Social para Cadeirantes. Turismo em Análise, v.19, n.2.

Meneghetti, G.I.P., Gonçalves, V.A., Dassie, J.C.P., Silva Filho, N.L. (1996). Manejo da arborização das ruas de Santos – 1993 a 1996. In: Congresso Brasileiro de Arborização Urbana, 3, Salvador, 1996; Anais. Salvador.

Merlotti, Carla. (2007). Hospitalidade presente no Turismo Social, à luz das Políticas Públicas de Inclusão. (Dissertação de Mestrado) – Universidade Cidade de São Paulo – UNICID, São Paulo.

Ministério do Turismo. Cadastur. Disponível em: . Acesso em: 23/08/2013.

Ministério do Turismo. Lei Geral do Turismo. Disponível em:

http://www.turismo.gov.br/turismo/legislacao/legislacao_geral/11771_lei.html>. Acesso em 28/11/2013.

Moreira. D. (2010). Turismo de Aventura Especial. Como atender a pessoa com deficiência. São Paulo.

Nunes, C.A.de A. (2011). Turismo Acessível: O Caso de Lousã. (Dissertação de Mestrado) Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Portugal.

OMT. Introdução ao Turismo. (2001). Roca. São Paulo. Disponível em: . Acesso em 28/08/09.

Organização Mundial do Turismo (OMT). Disponível em: . Acesso em: 15/10/2013.

Ozores, F.; Giusti, A.L.M.O.; Diniz, S. (2013). Atrações Turísticas. Disponível em: . Acesso em: 15/10/2013.

Ritchie, R. J. B; Swami, S.; Weinberg, C. B. (1999). A brand new world for nonprofits. International Journal of Nonprofit and Voluntary Sector Marketing.

Rocha, T; Goldschmidt. A. (2010). Gestão dos Stakeholders. Editora Saraiva. São Paulo.

Silva, G.G.L.da; Teles, R.M.de S. (2012). Acessibilidade no ecoturismo e turismo de aventura: produtos serviços e destinos turísticos acessíveis. 5º Congresso Latino- Americano de Investigação Turística. São Paulo.

Santos, Altair Sancho Pivoto. (2007). Turismo: Alternativa Efetiva de Inclusão Social? Uma Reflexão sobre as Políticas Públicas de Turismo no Brasil. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Instituto de Psicologia. Dissertação de Mestrado. Disponível em: . Acesso em 08/11/2013.

Smolinski, L. (2006). Turismo e Acessibilidade o caso do trade de gramado. Disponível em: . Acesso em: 15/09/2013.

Trindade, Maria Nazaré. (2004). A pessoa portadora de deficiência como turista. IN: RT&D – Revista Turismo & Desenvolvimento. vol.1. n.1. Lisboa: Editorial Notícias.

Tschohl, J. & Franzmeier, S. (1996). A satisfação do cliente: como alcançar a excelência através do serviço ao cliente. Makron Books. São Paulo.

Yin, R. K. (2005). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Bookman. Porto Alegre.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000