O Setor Brasileiro de Turismo: Evolução, Situação Atual e Perspectivas Futuras.

Marcos Roberto Piscopo, Claudia Terezinha Kniess, Cibele Barsalini Martins, César Antonio Biancolino

Resumo


O Turismo é considerado uma das principais atividades econômicas mundiais, o que resulta na necessidade de aperfeiçoamento ou adoção de novas estratégias em termos nacionais e internacionais. Diante do crescimento do volume de negócios das atividades relacionadas ao Turismo e de sua relevância econômica, social e cultural, observa-se uma lacuna de conhecimento com relação à maior compreensão da evolução desse setor. Nesse contexto, este estudo tem como objetivo analisar como se dá a evolução do setor de Turismo no Brasil a partir do entendimento de suas mudanças. Nesse sentido, utilizou-se as etapas sugeridas por McGahan (2004) – (a) definir o setor, (b) determinar se a mudança ocorre na arquitetura do setor, (c) determinar se a mudança ocorre na fundação do setor e (d) avaliar o estágio de evolução do setor – e os grupos de mercados do turismo adotados na Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo. Constatou-se que as mudanças estão concentradas nas trajetórias progressiva (locadoras de automóveis, meios de hospedagem, transporte aéreo, transporte rodoviário e turismo receptivo) e criativa (operadoras de turismo, organizadoras de eventos e promotoras de feiras). O entendimento dessas trajetórias de mudança é vital para o desempenho das empresas que atuam no setor brasileiro de Turismo, pois somente assim é possível formular e implementar estratégias que capitalizem as oportunidades emergentes.


Palavras-chave


Turismo, análise setorial; evolução; perspectivas futuras

Referências


Ardigó, C. M., Zucco, F. D., & Cardoso, O. R. (2013). Estratégias de orientação para o mercado no setor turístico de Balneário Camboriú e Bombinhas (SC, Brasil). São Paulo: Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo – Eletrônica. v. 7, n.1, p. 168-189, jan./abr.

Azevedo, M. S., Martins, C. B., Pizzinato, K. N., & Farah, O. E. (2012). Segmentação no setor turístico: O turista lGBT de São Paulo. Santa Maria: Rev. Adm. UFSM, v. 5, n. 3, p. 493-506, set./dez.

Bain, J. S. (1968). Industrial organization. New York: John Wiley & Sons.

Barbosa, F. S. (2013). Planejamento estratégico para eventos: um estudo de caso das estratégias de marketing utilizadas pela Oktoberfest de santa cruz do Sul/RS. Revista de Cultura e Turismo - CULTUR, v.7, n.1, p. 87-104.

Barbosa, F. S. (2010). O processo logístico de eventos: um estudo de caso da Oktoberfest de Blumenau/SC. Dissertação (Mestrado em Turismo e Hotelaria). Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú.

Barney, J. B., &Hesterly, W. S. (2011). Administração estratégica e vantagem competitiva: conceitos e casos (3a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M., & Schaefer, S. (2006). A economia da estratégia (3a ed). Porto Alegre: Bookman.

Brandenburger, A. M., &Nalebuff, B. J. (1996). Co-opetition. New York: Currency Doubleday.

Brasil. Documento Referencial Turismo no Brasil 2011 – 2014. Disponível em: http://www.turismo.gov.br/turismo/o_ministerio/publicacoes/cadernos_publicacoes/21Documento_Referencial.html. Acesso em 26/05/2013.

Carpenter, M. A., & Sanders, W. G. (2007). Strategic management: a dynamic perspective. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall.

Cooper, C., & Fletcher, J. &Wanhill, S. (2001). Turismo: princípios e práticas. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

D’Aveni, R. A. (1995). Hipercompetição: estratégias para dominar a dinâmica do mercado. Rio de Janeiro: Campus.

Dias, R. (2005). Introdução ao turismo. São Paulo: Ed. Atlas.

Dias, R., & Cassar, M. (2005). Fundamentos do marketing turístico. São Paulo: Pretentice Hall.

Grant, R. M. (2005). Contemporary strategy analysis. 5th. ed. Oxford, UK: Blackwell Publishing.

Hitt, M. A., Ireland, R. D., &Hoskisson, R. E. (2008). Administração estratégica: tradução da 7ª edição norte-americana. São Paulo: Thomson Learning.

Ignarra, L. R. (2003). Fundamentos do turismo São Paulo. Ed. Thompson.

FIPE – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. (2009). Disponível em www.fipe.org.br. Acesso em 19/10/2009.

Fundação Getúlio Vargas – FGV. (2012). Pesquisa anual de conjuntura econômica do turismo / EBAPE/Núcleo de Turismo, Ministério do Turismo (8a ed). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Hax, A. C., & Wilde II, D. L. (2001). The delta project: discovering new sources of profitability in a networked economy. New York: Palgrave.

Journal UNWTO World Tourism Baroeter. Advance Release and Statistical Annex of the UNWTO World Tourism Barometer, January 2013.Disponível em: http://www.e-unwto.org/content/k5512g0k76280m47/?p=a25b9626f0ee4c0098400c389002b6eeπ=0. Acesso em 08/04/2013.

Journal UNWTO World Tourism Baroeter. Advance Release and Statistical Annex of the UNWTO World Tourism Barometer, January 2012.Disponível em: http://www.e-unwto.org/content/h4p6986745j48010/?p=ae0fe2ef03624cee9490b2094ee7ffb6π=0. Acesso em 08/04/2013.

Lovelock, C., & Wright, L. (2001). Serviços, markenting, gestão. São Paulo: Ed Saraiva.

Martins, G. A., &Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo, Atlas.

Mattar, F. N. (2005). Pesquisa de Marketing: Metodologia, Planejamento. 6a. Ed., v.1, São Paulo: Atlas.

McGahan, A. M. (2004). How industries evolve: principles for achieving and sustaining superior performance. Boston, Massachusetts: Harvard Business School Press.

Montanari, M. G., &Giraldi, J. M. E. (2013). Competitividade no turismo: Uma comparação entre Brasil e Suíça. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo. v. 7, n. 1, p. 92-113.

Piscopo, M. R. (2012). Gestão estratégica de eventos a partir da rede de valor. Revista de Gestão e Secretariado, v. 3, n.2, 127-152.

Porter, M. E. (1980). Competitive Strategy. New York: The Free Press.

Reis, B. M. S. S.; Ferreira, W. R.. Fortes, M.; & Bahia, E. T. (2011). Análise comparativa entre investimentos e benefícios gerados pelo turismo nos países latino-americanos por meio da análise por envoltória de dados – DEA. 245.Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, v. 13, n. 2, p. 244-259 / mai-ago. Disponível

Theobald, W. F. (2001). Turismo Global. São Paulo: Editora SENAC.

World Tourism Organization (WTO). Statistics & Economic Measurement of Tourism. Acesso em http://www.world-tourism.org. Acesso em 15/10/2009.

Wright, P., Kroll, M. J., &Parnell, J. (2000). Administração estratégica: conceitos. São Paulo: Atlas.

WTTC. World Travel & Tourism Council. Global Travel & Tourism industry defies economic uncertainty by outperforming the global economy in 2012 – and predicted to do it again in 2013.Disponível em: http://www.wttc.org/news-media/news-archive/2013/global-travel-tourism-industry-defies-economic-uncertainty-outpe/. Acesso em 08/04/2013.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000