Modelos de Gestão do Esporte Educacional e Governança no Terceiro Setor: O Real, O Possível e O Ideal

Ana Lúcia Castilho Mota, Vânia Maria Jorge Nassif

Resumo


Esse artigo tem por objetivo analisar os princípios da governança no desenvolvimento do modelo de gestão do esporte educacional em uma organização do terceiro setor. Trata-se de um estudo qualitativo, de perspectiva fenomenológica. A coleta de dados foi feita por meio do grupo focal com a equipe de colaboradores e entrevista com a diretora e o gerente do instituto. Essas técnicas permitem coletar dados, a partir das experiências e visões dos participantes, além de propiciar análise dos dados e tratá-los pela análise de conteúdo e apresentados de forma discursiva (Barbour, 2009). Os resultados mostraram que a adoção de boas práticas de governança e a utilização de um modelo de gestão do esporte são valorizados e reconhecidos pelo grupo e pelos parceiros. A pesquisa revela ainda que tanto a governança quanto o uso de modelo de gestão são praticados de forma incipientes nestas organizações e podem auxiliar ONGs do esporte educacional.

Palavras-chave


modelos de gestão do esporte educacional, governança no esporte,governança no terceiro setor,empreendedorismo social

Referências


Alves, J. A. B., & Pieranti, O. P. (2007). O Estado e a formulação de uma política nacional de esporte no Brasil. RAE-eletrônica, v.6, n.1, Art.1.

Baker, J. A. W., Pan, D. W., Cao, X. J., & Lin, W. (1993). Sport Administration in the People's Republic of China. Journal of Sport Management, 7, pp.71-77.

Barbour, R. (2003). The newfound credibility of qualitative research? Tales of technical essentialism and co-option. Qualitative Health Research, 13(7), pp.1019-1027.

Barbour, R. (2009). Grupos focais. Porto Alegre: Artmed.

Brasil (1988). Constituição Federal brasileira. São Paulo: Tecnoprint.

Bueno, L. (2008). Políticas públicas do esporte no Brasil: razões para o predomínio do alto rendimento. Tese de Doutorado. São Paulo: Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas.

Cadbury Committee (1992). Final Report of the Committee for Financial Aspects of Corporate Governance. London: Gee Publishing.

Creswell, J. W. (2007) Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed.

Delors, J. (1999). Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez.

Easterby-Smith, M., Thorpe, R., & Lowe, A. Pesquisa gerencial em administração. São Paulo: Pioneira, 1999.

Fama, Eugene F., & Jensen, Michael C. (1983). Separation of ownership and control. Journal of Law and Economics, 26, pp.301–325.

Flick, U. (2009). Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.35, n.3, pp.20-29.

Hudson, M. (1999). Administrando Organizações do Terceiro Setor: o Desafio de Administrar sem Receita. São Paulo: Makron Books.

IPM (2008). http://passedemagica.org.br/educacional/projeto-basquete/gestao/ – acessado em 3/9/2013.

____ http://passedemagica.org.br/educacional/projeto-basquete/fundamentos/ – acessado em 3/9/2013.

Mcnamee, M. J., & Fleming, S. (2007). Ethics Audits and Corporate Governance: The Case of Public Sector Sports Organizations. Journal of Business Ethics, 73, pp.425–437. Doi 10.1007/s10551-006-9216-0.

Mendonça, L. R., & Machado Filho, C. A. P. (2004, Out./Nov./Dez). Governança nas organizações do terceiro setor: considerações teóricas. Rev. Adm., São Paulo, v.39, n.4, pp.302-308.

Ministério do Esporte (2003). – http://www.esporte.gov.br/institucional/historico.jsp – acessado em 16/9/2013.

__ – http://www.esporte.gov.br/institucional/organograma/organograma.jsp – acessado em 16/9/2013.

Nassif, V. M. J., Prando, R. A., & Cosentino, H. M. (2010). Ações estatais assistencialistas e empreendedorismo social sustentável no Brasil: um estudo exploratório. Gestão e Planejamento, v.11, n.2, pp.316-336.

Oliveira, E. M. (2004). Empreendedorismo Social no Brasil: atual configuração, perspectivas e desafios. Revista da FAE, Curitiba, v.7, n.2, pp.9-18.

Pinto, A. L. S.; Nunes, J. R.; & Almeida, R. S. (2009). A política cultural do Governo Lula: Necessidade de superação para além do Segundo Tempo. http://cbce.tempsite.ws/congressos/index.php/CONBRACE/XVI/paper/view/1368 - acessado em 25/9/2013.

Provan, K. G.; & Kenis, P. (2007). Modes of Network Governance: Structure, Management, and Effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(2), pp.229–252. Doi:10.1093/jopart/mum015.

Provan, Keith G. (1980). Board power and organizational effectiveness among human service agencies. Academy of Management Journal, 23, pp.221–36.

Rico, E. M. (2008). A filantropia empresarial e sua inserção no terceiro setor. In: Cavalcanti, M. Gestão social, estratégias e parcerias: redescobrindo a essência da administração brasileira de comunidades para o terceiro setor. São Paulo: Saraiva.

Rocha, I. B. L. & Feitosa, M. G. G. (2013, Jan./Jun.). Governança em ONGs: um ensaio teórico. Cadernos de Gestão Social, v.4, n.1, pp.25-37.

Soares, A. C. A. A., & Melo, M. C. O. L. (2010). Gestão do Terceiro Setor: uma prática social? Revista de Gestão USP, São Paulo, v.17, n.1, pp.1-11.

Teixeira, R. F. (2004). Discutindo o Terceiro Setor sob o Enfoque de Concepções Tradicionais e Inovadoras de Administração. Cadernos de Pesquisa em Administração, São Paulo, v.11, n.1, pp.1-15.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000