A Co-Gestão como Administradora do Patrocínio Esportivo no Brasil: Uma Análise dos Casos Palmeiras-Parmalat e Fluminense Unimed-Rio.

Nicolas Caballero

Resumo


É de consenso entre muitas empresas no Brasil que grande parte dos patrocínios esportivos não alcançam o retorno esperado. Entre os fatores apontados está a não possibilidade de participação destas nas decisões das entidades esportivas. Neste contexto, a técnica gerêncial co-gestão apresenta-se como uma estratégia capaz de administrar o investimento realizado. Este trabalho tem como objetivo analisar a co-gestão como administradora do patrocínio esportivo. Para isto, tomou-se como objeto de estudo as duas principais co-gestões desenvolvidas no esporte brasileiro: Empresa Alimentícia Parmalat - Sociedade Esportiva Palmeiras e Unimed-Rio - Fluminense Football Club. Analisando os processos de co-gestão, observou-se o comprometimento das partes envolvidas para com os objetivos pré-estabelecidos. No entanto, procedimentos como seleção correta dos parceiros, definição de direitos e deveres, entre outras ações, devem acompanhar sua implantação. Por fim, apesar de obterem retornos significativos, as partes devem evitar uma dependência no processo, seja dos recursos financeiros do investidor ou da imagem da entidade esportiva.

 


Palavras-chave


Co-gestão;Procedimentos;Resultados

Referências


Areias, J. (2007). Uma bela jogada: 20 anos de marketing esportivo. Rio de Janeiro: Outras Letras.

Caballero, N. & Carvalho, S. (1998). A co-gestão esportiva no futebol: o caso Juventude-Parmalat. Passo Fundo: Ediupf.

Cardia, W. (2004). Marketing e patrocínio esportivo. Porto Alegre: Bookman.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. (3ª edição). Porto Alegre: Bookman.

Mazzei, L. & Bastos, F. (org.). (2012). Gestão do esporte no Brasil: desafios e perspectivas. São Paulo: Ícone.

Miles, R. & Snow, C. (2003). Organizational strategy, structure, and proces. Stanford: Leland Stanford Junior University.

Niedenhoff, H. (1991). Co-gestão na República Federal da Alemanha do final do século XIX aos dias atuais. São Paulo: Nobel.

Parisi, S. (1994). Patrocínio esportivo: avaliação do estágio atual e perspectivas de desenvolvimento no Brasil. Dissertação (Mestrado)-Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. São Paulo.

Payne, M. (2006). A virada olímpica: como os Jogos Olímpicos tornaram-se a marca mais valorizada do mundo. Rio de Janeiro: Casa da Palavra.

Rein, I., Kotler, P. & Shields, B. (2007). Marketing esportivo: a reinvenção do esporte na busca de torcedores. Porto Alegre: Bookman.

Rocha, C. & Bastos, F. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 25, n. spe, dez. 2011. Recuperado em 24 de março de 2013, em http://scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-55092011000500010&Ing=ptnrm=iso.

Samara, B. & Barros, J. (1997). Pesquisa de marketing: conceitos e metodologia. (2ª edição). São Paulo: Makron.

Sport Track. (2008). Pesquisa lembrança de patrocinador - Times de São Paulo. São Paulo: Sport Track.

Tragtenberg, M. (1989). Administração: poder e ideologia. São Paulo: Cortez.

Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. (2ª edição). Porto Alegre: Bookman.

______. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. (4ª edição). Porto Alegre: Bookman.

Well, W. D. Discovery-oriented consumer research. Journal of Consumer Research. Chicago, v. 19, p. 489-504, 1993. In.: ROCHA, C. & BASTOS, F. Gestão do esporte: definindo a área. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 25, n. spe, dez. 2011. Recuperado em 24 mar. 2013, em http://scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-55092011000500010&Ing=ptnrm=iso..


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000