Desenvolvimento da Análise de Desempenho Esportivo no Voleibol de Alto Rendimento no Contexto da Gestão do Conhecimento.

Heglison Custódio Toledo, Guilherme Novaes Pinto Ferreira, Gustavo Paraná Paes Brazil

Resumo


A evolução tecnológica aliada a grande competitividade do esporte de rendimento, trouxe a tona diversos recursos, o que  tornou a análise de jogo ainda mais importante. Muitas equipes profissionais e amadoras utilizam programas estatísticos simples ou complexos para uma melhor compreensão do jogo. O voleibol faz uso de informações pautadas em princípios estatísticos, as quais são utilizadas para tomadas de decisão antes, durante e depois dos jogos. Nesse sentido a gestão do conhecimento poderá contribuir para otimizar, ampliar e descortinar conhecimentos ainda obscuros durante as ações praticadas no voleibol. A teoria da gestão do conhecimento é uma ferramenta capaz de ampliar o olhar em relação aos dados, informações e conhecimentos que o voleibol promove. O objetivo deste trabalho foi relacionar a análise de desempenho tático esportivo no voleibol balizado pela Gestão do Conhecimento. A partir do contexto esportivo e a inserção de um modelo teórico-prático, tal relato se caracteriza por um perfil qualitativo, cuja estrutura tem por finalidade elucidar diferentes percepções a luz das particularidades da análise de desempenho esportivo e sua desenvoltura tecnológica. A metodologia do estudo descritivo caracteriza-se por modelo qualitativo, a estrutura do estudo tem por finalidade elucidar as relações da análise do desempenho tático esportivo no voleibol com a gestão do conhecimento. No ambiente esportivo, o presente trabalho permitiu avaliar e subsidiar conhecimento a partir do cenário de informações instalado na matriz esportiva. Neste caso, surge uma possibilidade de criação de ambiente teórico sustentável, para auxiliar na criação, transformação, disseminação e tomada de decisão para a manifestação esportiva.


Palavras-chave


Voleibol; Análise Esportiva; Gestão do Conhecimento

Referências


Afonso, J; Esteves, F; Aráujo, R; Thomas, L; Mesquita, I. (2012). Tactical determinants of setting zone in elite men´s volleyball. Journal of Sports Science and Medicine, 11, 64-70.

Barsi, A. A. (2012). Um estudo sobre a estatística aplicada ao voleibol de alto nível. Limeira, SP.

Botelho, M.A; Monteiro, A.M; E Valls, V. (2007). A Gestão do conhecimento esportivo: A experiência da biblioteca da Seme. Ci. Inf., Brasilia, 36(1), 175-188.

Cardoso, V.; Cameira, R; Proença, A. (2001). Inteligência Competitiva e a Gestão do Conhecimento. In XXI ENEGEP – ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Salvador, BA.

Da Costa, L. P. (2007). Gestão do Conhecimento. Palestra ministrada na Universidade Técnica de Lisboa – Faculdade de Motricidade Humana, em 27 de março de 2007.

De Geus, A. (1998). A empresa viva: como as organizações podem aprender a prosperar e se perpetuar. Rio de Janeiro, RJ: Campus.

Esteves, M. (2009). Condicionates Tácticas da Ação de Distribuição no Jogo de Voleibol. Estudo aplicado em equipas masculinas de alto nível. Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Portugal.

Garganta, J. (2001). A análise da performance nos jogos desportivos. Revisão acerca da análise de jogo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 1(1). 57-64.

Hirutsu, N; Ito, M; Miyaji, C; Hamano, K; Taguchi, A. (2010). A game theoretic analysis of tactics in the phase of reception attack in volleyball. International Journal of Computer Science in Sports. 9(1).

Jorg, M, J; Wolfgang, I, S. (2011) Identifying individuality and variability in team tactics by means of statistical shape analysis and multilayer perceptrons. Human Movement Science.

Lessa, E., Queiroz, J. G.; Macêdo, J. D.; Rodrigues, R. G.; Cardoso, V. C. (2004). O Sistema Organizacional de Gestão do Conhecimento do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Congresso anual da sociedade brasileira de gestão do conhecimento, 3. São Paulo.

Marcelino, R; Mesquita, I; Sampaio, J; Moraes, J. S. (2010). Estudos de indicadores de rendimento em voleibol em função do resultado do set. Rev. bras. Edu. Fís. Esporte, São Paulo, 24(1), 69-78.

Matias, C. J. A. S; Greco, P. J. (2009). Análise de jogo nos jogos esportivos coletivos: A exemplo do voleibol. Pensar a Prática 12(3). 1-16.

Melo, L. E. V. (2003). Gestão do Conhecimento: Conceitos e Aplicações. São Paulo, Érica Editora.

Moraes, J, C. (2009). Determinantes da Dinâmica Funcional do Jogo de Voleibol. Estudo aplicado em seleções adultas masculinas. Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Portugal.

Moutinho, C. (2000). Estudo da estrutura interna das ações da distribuição em equipas de voleibol de alto nivel de rendimento – contribuindo para a caracterização e prospective do jogador distribuidor. Faculdade de Ciência do Porto e de Educação Física da Universidade do Porto, Portugal.

Orlikowski, W; J. Robey, D. (1991). Information Technology and the Structuring of Organizations. Information Systems Research. 2 (2), 143-169.

Saccol, A. Z; Reinhard, N. (2006). The Hospitality Metaphor as a theoretical lens for understanding the ICT adoption process. Journal of Information Technology, 21, 154–164.

Senge, P. M. (2004). A Quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. São Paulo: Editora Nova Cultural.

Silva, A. V. (2005). Engenharia de processos como instrumento de apoio à gestão de atividades repetitivas, mas de alta variabilidade: uma aplicação em uma organização do setor elétrico. In: Anais do XXV ENEGEP, Porto Alegre.

Takeuchi, H; Nonaka, I. (2008). Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Terra, J. C. (2009). Gestão 2.0: como integrar a colaboração e a participação em massa para o sucesso dos negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

Toledo, H. C., Dacosta, L.P; Delgado, F. E. F. (2009). Construção Léxica da Trajetória da Atividade Física na Empresa: Ginástica Laboral no Brasil em Abordagem da Gestão do Conhecimento (Tese de Doutorado). Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro.

Toledo, H; Dacosta, L. P. (2009). Gestão do Conhecimento e Gestão Pública: o caso de Juiz de Fora, M.G. In: KM Brasil, Salvador, BA.

Valente, F; Mesquita, M. (2013). Estatistica Descritiva. Instituto Superior de Agronomia, Universidade Técnica de Lisboa, Portugal.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review e-ISSN: 2316-932X
Rua Vergueiro, 235/249 - Liberdade, São Paulo - SP, (Brasil). 01504-000